Clique e acesse a edição digital

Bebês que nascem ‘vacinados’: isso é possível!

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Normalmente vacinas soam melhor quando estamos falamos de crianças, não é? Grande engano seu, mamãe.
Existem calendários de vacinação para todas as idades, inclusive para a mulher. E quem pensa em engravidar esse é o momento para atualizar suas vacinas. Algumas são imprescindíveis para que não prejudique a saúde da mulher e o desenvolvimento do futuro ser durante a gestação e depois do parto.
É isso mesmo, a vacina que você tomou antes de engravidar ajudará na imunidade do seu filho mesmo depois do nascimento.
Quando o bebê nasce, seu sistema imunológico ainda não está suficientemente maduro e são os anticorpos da mamãe que protegem o recém-nascido contra infecções até mais ou menos seis meses, que é o momento que seus próprios anticorpos começam a atuar.
Quer saber como a mamãe “doa” a vacina ao filho ainda na barriga? Os anticorpos da mulher passam para o bebê através da placenta ou através do aleitamento materno. Por isso a importância da atualização das vacinas antes da gravidez e do aleitamento materno para assegurar a saúde do bebê.
Vacinar na gravidez é um risco – Caso a gravidez aconteça sem planejamentos, o que acontece aos montes no país, o ideal é evitar qualquer vacina, principalmente a vacina contra rubéola que pode acarretar malformações ao feto. Existem algumas que são indicadas para gestantes como a antitetânica ou dupla adulto e contra a hepatite B.
E durante a gestação, a mamãe pode contrair algumas doenças que podem prejudicar o desenvolvimento do feto como malformações, surdez, retardo mental e até a morte. E algumas dessas doenças são prevenidas com a aplicação de vacinas.
Mamãe vacinada, bebê protegido – As vacinas mais preciosas que as mulheres devem tomar antes de engravidar são as que protegem da rubéola, do tétano e hepatite B.
Normalmente a antitetânica está associada à antidiftérica, chamada de dupla adulto e é oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Ela previne uma doença que acomete o bebê chamada de Tétano Neonatal, que ocorre na primeira semana de vida e pode levar à morte.
A vacina contra rubéola deve ser recebida 90 dias antes da gravidez, pois a vacina é o vírus vivo atenuado e pode provocar malformações no feto. Também é oferecida pelo SUS.
Já a vacina contra a hepatite B é realizada em três doses e está no calendário oficial do Ministério da Saúde e vale a vida inteira. A vacina é importante para a mamãe não contrair o vírus, não contaminando, assim, o bebê. Em longo prazo, a doença aumenta o risco de câncer de fígado e cirrose.
Apesar de serem indicadas, o ideal é procurar o seu médico ou tirar suas dúvidas durante as consultas de pré-natal.
Dicas
Não deixe para a última hora, atualize sua carteira de vacinação sempre.
Garantir a saúde da mamãe é prevenir doenças no futuro bebê.
Se não se vacinou, procure saber como se cuidar para que não contraia doenças prejudiciais a você e seu bebê.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!