Clique e acesse a edição digital

COMO FALAR SOBRE HOMOSSEXUALIDADE PARA AS CRIANÇAS?

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

De acordo com a psicóloga Josiane Cândido Porto de Melo, conforme as crianças tomam conhecimento da homossexualidade, elas ficam curiosas e se interessam em saber mais sobre o assunto. “A partir do momento que a criança ouve um adulto falar sobre a homossexualidade ou presencia a cena de um casal do mesmo sexo se beijando, começam a surgir perguntas e muitas vezes os pais não estão preparados para responder”, explica.
O ideal é que os pais não fujam do assunto ou tentem enrolar a criança para não responder, pois as dúvidas sobre sexualidade fazem parte do processo do desenvolvimento infantil. “Alguns pais podem se sentir constrangidos com a pergunta da criança e não saber como responder. Nesse caso, se o pai sentir dificuldade sobre a homossexualidade ou outras questões, aconselho a buscar a orientação de um profissional”, diz a psicóloga.
Os pais devem conversar com a criança sobre o assunto sem tabus e sem segredos. Caso o preconceito exista, os pais podem acabar ensinando o filho a não lidar bem com o diferente e incentivar a criança a ser preconceituosa. “Antes de explicar sobre a homossexualidade ao filho, os pais devem refletir sobre o assunto para não deixar a criança mais confusa”, alerta Josiane.
Existe uma idade ou o momento certo?
A idade certa é quando a criança começa a questionar demais e nesses casos as perguntas que ela fizer aos pais podem ser respondidas. Não precisa entrar em detalhe na conversa, responda somente o que ela perguntar. “Caso a criança questione sobre a homossexualidade, os pais devem responder com calma e naturalmente. Devem dizer, por exemplo, que a maioria das pessoas quando estão juntas são de sexo diferente, mas que existem algumas pessoas que são do mesmo sexo, que se gostam e por isso estão juntas”, sugere a psicóloga.
Filhos de pais homossexuais
É importante o casal homossexual que está disposto adotar uma criança explicar a questão de uma forma natural. “Os pais não passam aos filhos aquilo que não sentem, portanto o casal deve estar seguro e bem com sua escolha de adoção e união. Responda pontualmente o que a criança pergunta e utilize vocabulário apropriado para a idade dela. Uma boa alternativa é exemplificar com situações que a criança tenha contato. Explicar sobre a adoção através de um livro infantil pode ser uma boa opção, por exemplo. Dizer que hoje em dia não há só um tipo de família e que ela deve ter alguma coleguinha que tem pais separados ou é criada pela avó. Os pais podem explicar em linhas gerais sobre a sua opção sexual e esclarecer as possíveis dúvidas da criança”, recomenda Josiane Porto de Melo.
Segundo a psicóloga, independente da criança ser criada por dois pais, duas mães ou pelo pai e mãe o que possibilitará que ela cresça feliz e saudável é o bom vínculo afetivo. “O que realmente importa é que a criança cresça num ambiente familiar harmonioso e que ela receba amor, respeito, atenção, carinho, apoio e educação”, ressalta Josiane.
Fonte- Psicóloga Josiane Porto de Melo

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Julho, mês de férias

Merecidas férias dos estudantes, nem sempre podem ser compartilhadas pelos adultos. Iniciam-se as férias das professoras e começam então os dias de trabalho extra para

Leia Mais »

Corrimento vaginal

Corrimento vaginal é uma das principais causas que levam as mulheres aos consultórios de ginecologia. A secreção vaginal vai apresentar variações entre uma mulher e

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!