Clique e acesse a edição digital

Cuidados com o corpo e rosto durante a gravidez

Tempo de Leitura: 4 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Woman applying face cream

1. Rosto com proteção máxima

Os hormônios deixam a pele mais hidratada e viçosa. Você percebe a diferença a partir do quarto mês e talvez até possa comemorar o desaparecimento da acne. “Um estudo com 400 gestantes mostrou que 75% delas tiveram diminuição do problema”, diz a dermatologista Isabel Martinez, da Clínica Martinez, em São Paulo. Se as espinhas não sumirem, limpeza de pele e tratamentos como peeling de cristal estão liberados depois do primeiro trimestre.

O motivo para se preocupar são as manchas. “A produção de melanina fica estimulada e altera a pigmentação da pele, favorecendo o surgimento de sinais amarronzados”, afirma a médica. Capriche no protetor solar com FPS acima de 30 e evite sol. Se elas aparecerem, não fique tensa. Na maioria das vezes, somem cerca de quatro meses após o parto. “Em casos mais graves, o dermatologista pode indicar um creme clareador liberado para gestantes”, garante Leandra Metsavaht, diretora da Sociedade Brasileira de Dermatologia, em São Paulo.

2. Seios firmes

Logo no primeiro mês, os seios ficam maiores e, à medida que a gravidez avança, as aréolas escurecem (por causa do aumento de melanina) e se tornam salientes. Aproveite para usar os decotes que sempre quis e incremente sua coleção de lingeries com sutiãs confortáveis e de boa sustentação, com alças e laterais largas. Como a pele da região se distende rapidamente, há risco de as fibras se romperem, causando estrias. Por isso, capriche na hidratação com óleos e cremes à base de elastina e silício, aplicados até duas vezes ao dia. Mas não passe nada nos mamilos nem nos bicos, para não afinar a pele, prejudicando a amamentação depois.

3. Mãos e unhas a salvo

O eritema palmar (vermelhidão na palma das mãos) é comum a partir do segundo trimestre. Trata-se de um distúrbio vascular causado pela elevação dos hormônios estrogênicos, que desaparece entre seis e sete semanas depois do parto. Outra ameaça para as mãos e unhas são as infecções por fungos, vírus e bactérias, já que a imunidade diminui nessa fase. “Para se prevenir, é preciso secar bem as mãos ao lavá-las, usar luvas nos serviços

domésticos e não tirar a cutícula, que é uma proteção natural”, recomenda Leandra. Quanto aos esmaltes, estão liberados. Na hora de retirar, substitua a acetona porremovedor hipoalergênico.

4. De pernas para o alto

Elas merecem atenção especial para que você não sofra com inchaço, celulite e varizes. As últimas são o problema mais preocupante e têm como causa dilatação das veias e aumento do sangue em circulação. O excesso de peso agrava o risco, principalmente para quem tem predisposição genética.

Para se precaver, procure engordar apenas o indicado pelo médico, evite passar muitas horas em pé ou sentada e faça repousos diários com as pernas elevadas. Se o médico recomendar meias elásticas, adote-as. Do segundo trimestre em diante, com autorização do obstetra, as massagens, como drenagem linfática, podem entrar em cena. Elas descansam, diminuem o inchaço, melhoram a circulação e previnem contra celulite. Em casa, a aplicação de cremes e óleos em movimentos ascendentes antes de dormir ativa a circulação e alivia tensões.

5. Mais conforto para os pés

Os pés sofrem com a retenção de líquido desde o início da gravidez, e o inchaço se agrava no terceiro trimestre. Para piorar, o aumento de peso predispõe a fissuras nos calcanhares e a queda de imunidade favorece micoses. Sapatos adequados farão um bem imenso até para o seu humor. Opte por modelos de bico arredondado, salto de até 3 centímetros, boa forração interna e sem costuras, que causam atritos e a formação de calos.

6. Muito creme na barriga

Orgulhe-se do barrigão e valorize-o com roupas que realçam a silhueta. Afinal, agora ele é o centro das atenções. Mas não relaxe com a hidratação e a nutrição da pele da região, que fica altamente sujeita a estrias, devido ao estiramento excessivo. Apesar de o terceiro trimestre ser o mais crítico, os cuidados devem estar presentes desde o início da gravidez. “Só um aviso: gestantes não podem usar substâncias antiestrias, como o ácido retinóico, nem hidratantes à base de ureia, que têm ação mais intensiva”, lembra Leandra. Então, lambuze-se desde cedo com os cremes especiais para grávidas.

Conteúdo autorizado para reprodução na Revista Materlife com a fonte retida pelo publicador.

Divulgado em: Blog Cegonha

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Quarentena: mitos e verdades

Quarentena ou resguardo são nomes populares para designar o puerpério, etapa da vida da mamãe que começa depois do nascimento do bebê. Além dos cuidados

Leia Mais »

Tchau fraldinha

Será que já é à hora? Na última noite do ano de 2008, em meio a abraços, foguetório, champanhe, sete ondas, resoluções bem intencionadas e

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!