Clique e acesse a edição digital

Enurese Noturna, conhecida como xixi na cama, tem tratamento

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Bedwetting ,Child pee on a mattress,Little girl feet and pee in bed sheet,Child development concept ,selected focus at wet on the bed

Fisioterapia Pélvica Funcional ajuda crianças na conscientização do sistema urinário

O ato de “fazer xixi na cama” é considerado normal nos primeiros anos de vida, principalmente quando se abandona as fraldas e a criança começa a ganhar consciência do seu sistema urinário. Porém, quando a idade avança, considerando os 5 anos nas meninas e os 6 anos nos meninos, a perda involuntária de urina durante o sono caracteriza-se Enurese noturna. Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia, cerca de 15% das crianças nessa idade apresentam o problema. As principais causas estão associadas a fatores genéticos, psicológicos, atraso no desenvolvimento do mecanismo fisiológico responsável pela micção, redução da capacidade funcional da bexiga, anormalidades na produção noturna do hormônio antidiurético ou no trato urinário e dificuldades para despertar e ir ao banheiro.

De acordo com a fisioterapeuta Thalita Freitas, da clínica Athali Fisioterapia Pélvica Funcional, os pais que identificarem o problema devem encaminhar a criança para uma avaliação médica e tratar o problema com naturalidade, exercícios de conscientização e fortalecimento dos músculos do trato urinário. “A Enurese noturna primária é a perda involuntária de urina durante a noite por crianças com idade suficiente para ter controle da bexiga, mas nunca tiveram. A secundária caracteriza-se quando a incontinência ocorre após, pelo menos, seis meses de continência. O tratamento fisioterapêutico deve conter condutas individualizadas, que serão traçadas após uma avaliação completa, incluindo o estudo dos hábitos urinários e intestinais, padrões alimentares e de ingesta hídrica, além de testes físicos (não invasivos) para determinar a coordenação muscular, força e capacidade de relaxamento”, explica.

Nos pacientes diagnosticados com causas fisiológicas, uma série de métodos podem desenvolver o progresso, que cria a conscientização do esfíncter vesical e a capacidade de retenção e controle da uretra. “As opções de tratamento incluem terapias comportamentais através de alarmes noturnos e medicamentos. Quando não há sucesso através desses métodos, uma abordagem diferente, como a fisioterapia, pode ser apropriada para criar a consciência dos músculos e o próprio controle da uretra”, ressalta.

A fisioterapeuta ainda lista algumas dicas importantes para ajudar a criança no processo:

– Crie uma rotina com a criança para ir ao banheiro, mesmo que ela não sinta vontade de urinar. Isso ajuda no desenvolvimento dos sensores miccionais.


– Reduza o consumo de líquidos durante à noite.

– Leve a criança para urinar antes de dormir.


– Faça um calendário marcando os dias em que ocorreu o xixi durante o sono e quando não. Elogie as “noites secas” e acompanhe o desenvolvimento da criança.

– Evite brigar ou castigar a criança quando acontecer a micção noturna. Ao invés disso, estimule a vencer o problema.

Fonte: Thalita Freitas: Fisioterapeuta especialista na Saúde da Mulher da clínica Athali Fisioterapia Pélvica Funcional, atuante na área de reabilitação dos músculos do assoalho pélvico e obstetrícia. Supervisora do curso de Pós-graduação em Fisioterapia na Saúde da Mulher HC-FMUSP (2015) e Coordenadora do curso de Pós-graduação em fisioterapia, no módulo de Uroginecologia, na Faculdade de Medicina da USP (2014) – www.athalifisioterapia.com

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Consenso leite de vaca

Há tempos existe uma discussão em torno do leite de vaca e seus derivados. Há quem incentive seu consumo, frente aos nutrientes presentes neste alimento.

Leia Mais »

Disfunção cerebral mínima

As crianças com disfunção cerebral mínima têm, em geral, inteligência média ou acima da média; mas, apresentam certos problemas de aprendizagem ou de comportamento associados

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!