Clique e acesse a edição digital

Enurese Noturna, conhecida como xixi na cama, tem tratamento

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Bedwetting ,Child pee on a mattress,Little girl feet and pee in bed sheet,Child development concept ,selected focus at wet on the bed

Fisioterapia Pélvica Funcional ajuda crianças na conscientização do sistema urinário

O ato de “fazer xixi na cama” é considerado normal nos primeiros anos de vida, principalmente quando se abandona as fraldas e a criança começa a ganhar consciência do seu sistema urinário. Porém, quando a idade avança, considerando os 5 anos nas meninas e os 6 anos nos meninos, a perda involuntária de urina durante o sono caracteriza-se Enurese noturna. Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia, cerca de 15% das crianças nessa idade apresentam o problema. As principais causas estão associadas a fatores genéticos, psicológicos, atraso no desenvolvimento do mecanismo fisiológico responsável pela micção, redução da capacidade funcional da bexiga, anormalidades na produção noturna do hormônio antidiurético ou no trato urinário e dificuldades para despertar e ir ao banheiro.

De acordo com a fisioterapeuta Thalita Freitas, da clínica Athali Fisioterapia Pélvica Funcional, os pais que identificarem o problema devem encaminhar a criança para uma avaliação médica e tratar o problema com naturalidade, exercícios de conscientização e fortalecimento dos músculos do trato urinário. “A Enurese noturna primária é a perda involuntária de urina durante a noite por crianças com idade suficiente para ter controle da bexiga, mas nunca tiveram. A secundária caracteriza-se quando a incontinência ocorre após, pelo menos, seis meses de continência. O tratamento fisioterapêutico deve conter condutas individualizadas, que serão traçadas após uma avaliação completa, incluindo o estudo dos hábitos urinários e intestinais, padrões alimentares e de ingesta hídrica, além de testes físicos (não invasivos) para determinar a coordenação muscular, força e capacidade de relaxamento”, explica.

Nos pacientes diagnosticados com causas fisiológicas, uma série de métodos podem desenvolver o progresso, que cria a conscientização do esfíncter vesical e a capacidade de retenção e controle da uretra. “As opções de tratamento incluem terapias comportamentais através de alarmes noturnos e medicamentos. Quando não há sucesso através desses métodos, uma abordagem diferente, como a fisioterapia, pode ser apropriada para criar a consciência dos músculos e o próprio controle da uretra”, ressalta.

A fisioterapeuta ainda lista algumas dicas importantes para ajudar a criança no processo:

– Crie uma rotina com a criança para ir ao banheiro, mesmo que ela não sinta vontade de urinar. Isso ajuda no desenvolvimento dos sensores miccionais.


– Reduza o consumo de líquidos durante à noite.

– Leve a criança para urinar antes de dormir.


– Faça um calendário marcando os dias em que ocorreu o xixi durante o sono e quando não. Elogie as “noites secas” e acompanhe o desenvolvimento da criança.

– Evite brigar ou castigar a criança quando acontecer a micção noturna. Ao invés disso, estimule a vencer o problema.

Fonte: Thalita Freitas: Fisioterapeuta especialista na Saúde da Mulher da clínica Athali Fisioterapia Pélvica Funcional, atuante na área de reabilitação dos músculos do assoalho pélvico e obstetrícia. Supervisora do curso de Pós-graduação em Fisioterapia na Saúde da Mulher HC-FMUSP (2015) e Coordenadora do curso de Pós-graduação em fisioterapia, no módulo de Uroginecologia, na Faculdade de Medicina da USP (2014) – www.athalifisioterapia.com

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Os riscos da exposição solar

O ser humano dispõe de mecanismos protetores naturais contra as radiações solares. Entretanto, estes são insuficientes e, por isso, torna-se necessário evitar o excesso de

Leia Mais »

Higiene do Bebê

Curativos do Coto Umbical  Nos primeiros dias de vida o cordão umbilical do recém-nascido é branco com raias azuladas (devido a presença dos vasos sanguíneos

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!