Clique e acesse a edição digital

Filho adotivo: quando contar a verdade

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
01-mater

O processo de adoção é demorado e delicado, e requer que os pais participem de cursos preparatórios para adotar uma criança, além de estarem cientes do motivo que os dispõe a isso.
Antes de mais nada, cada pessoa, deve ter bem claro para si mesma, as razões pelas quais deseja realizar a adoção. E são muitos os motivos que podem levar uma pessoa a querer adotar uma criança, pois sempre podem estar relacionados ao desejo de constituir uma família, seja ela formada por casais de sexos opostos ou não e também de pessoas que vivem sozinhas. O desejo de formar uma família sempre encabeça a lista dessas causas. Entretanto, as questões individuais de cada envolvido permeiam a adoção, e é ai que vemos a culpa, o desejo de fazer o bem, o medo de não ter alguém para servir de amparo na velhice, entre outros tantos motivos, agregarem essa lista. Por isso, é fundamental que as pessoas entrem em contato com suas questões para que tenham muito claros os diversos aspectos, bem como suas limitações relacionadas à adoção.
Adotar uma criança não é um processo tão simples quanto se possa acreditar, e demora um tempo indefinido que não depende dos envolvidos nesse desejo, mas sim de um processo lento, que quando é iniciado, o casal já sabe de antemão que não terá prazo estipulado para ser concluído. Alem do mais, os envolvidos devem estar cientes de que a qualquer momento pode aparecer uma criança, que talvez corresponda ou não às suas expectativas, mas que mudará toda a sua rotina de vida e inevitavelmente os remeterá a questões conscientes ou não, mas que serão determinantes na relação com ela.
A partir desse momento, se ao menos algumas questões relacionadas à adoção estiverem esclarecidas internamente, poderá tornar-se mais fácil lidar com tudo, pois a clareza e a segurança em relação aos aspectos envolvidos farão uma diferença bastante significativa.
Quando contar a verdade para a criança? Antes de mais nada, essa verdade precisa estar muito clara e segura para os pais, sem que se esqueçam de que o filho adotivo tem uma história de vida pregressa, conhecida ou não por ela, mas que em algum momento de sua vida, virá à tona. Além do mais, isso varia de criança para criança, e depende também da idade em que foi adotada, da situação em que se encontrava e do contexto em que atualmente se encontra.
Acredito que a verdade deve ser sempre dita. Contudo, as dificuldades individuais existem, e a elas que os profissionais devem estar atentos.
O acompanhamento psicológico, mesmo que seja por poucas sessões, pode ser fundamental para o esclarecimento de várias questões, bem como para a colaboração da configuração da nova família que se forma ou se formará.

Cynthia Boscovich
Psicóloga clínica, psicanalista. Membro regular da sociedade brasileira de psicanálise winnicottiana.
Atende adolescentes e adultos em seu consultório, e possui também um trabalho específico com gestantes, mães e bebês, na área de prevenção e tratamento.
www.cuidadomaterno.com.br
Tel. (11)5549-1021

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Estrias na gestação

Minha estreia aqui não poderia ter um tema “mais ou menos”, então decidi começar falando de estrias na gestação, uma queixa recorrente e que sempre

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!