Clique e acesse a edição digital

Hoje não!

Tempo de Leitura: 2 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Logo pela manhã! Se ao menos eu tivesse tido algum aviso. Uma boa maquiagem e um salto alto poderiam ter me ajudado a superar este imprevisto tão desagradável.

Eu, de cara lavada, tomada pela surpresa, pálida e atônita. Ele ali no meio dos outros, totalmente à vontade, saliente, em destaque, como previsível.

Não foi assim que imaginei este encontro. Pensei que quando o encontrasse, seria na minha melhor forma, tanto física quanto emocional. Minha superioridade e meu pouco caso o colocariam em seu devido lugar.

Ao invés disso, me peguei pensando o que diriam todos a partir de hoje, ao vê-lo por ali, escancarando sua presença, enquanto eu, por mais que tentasse ignorá-lo, tinha sofrido um baque, e qualquer ação na intenção de omitir sua presença só reforçaria o fato de que eu me importava com sua existência. Pobre de mim.

– Vulnerável! Fraca! – Pensava, enquanto fechava a porta atrás de mim.

Joguei água fria no rosto, tentando me recobrar do susto, enquanto repetia em voz alta palavras de encorajamento.

– Linda! Poderosa! Você pode tudo! Você é mais que isso! Não se deixe abater!

Vasculhando a necessaire em busca de apoio moral, esponjo o rosto com um pouco de blush, afastando a palidez, trazendo cor às bochechas. Nos lábios uma gota de brilho, e nos olhos uma pincelada sobre as pálpebras deixando os cílios longos e encorpados.

Conferi o resultado. Rejuvenescida em alguns anos, aprovei o frescor que a maquiagem me trouxe. Respiro fundo.

Pronta para encará-lo, determinada puxei-o do meio dos outros, tive cuidado de isolá-lo.

Dei uma última boa olhada nele, analítica e fria. Ainda o veria outras vezes, o futuro me reservaria este desprazer. Certo, ele haveria de voltar a me atormentar. Mas não hoje, definitivamente hoje não!

Com um giro e um movimento rápido, o abati. Agora, preso aos meus dedos, olhei-o com desprezo. Impotente, jazia morto.

Joguei na pia o maldito fio de cabelo branco.

Cínica, sorri enquanto ele deslizava ralo abaixo.

Ajeitei as madeixas, minha vasta, longa e negra cabeleira.

Numa última olhada para o espelho, aprovei o que vi. Soprei-me um beijo, pronta agora pra qualquer desafio que o dia me apresentasse.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

RECEIO DE AMAMENTAR

Muito do que vejo também está ligado aos mitos relacionados ao aleitamento materno, como por exemplo, de que constitui uma tarefa prazerosa para a mãe.

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!