Clique e acesse a edição digital

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL x FERTILIZAÇÃO IN VITRO

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Como são feitas e para que casos são indicadas?
A Inseminação Artificial é uma técnica antiga, mas ainda muito utilizada. É indicada principalmente quando existe problema na entrada do útero (canal cervical). Assim, colocando-se os espermatozoides acima desse ponto, teoricamente a paciente deveria engravidar. Para melhorar as chances de sucesso da inseminação, procede-se à estimulação ovariana. Administram-se medicamentos que atuam nos ovários, provocando o desenvolvimento de mais de um folículo; com isso, ocorre a ovulação, liberando mais de um óvulo, o que aumenta as chances de gravidez, inclusive de gêmeos. “Além de mulheres com alterações no muco cervical, o que dificulta a passagem do espermatozoide para o útero, a Inseminação Artificial também é indicada para homens com baixa produção ou mortalidade de espermatozoides”, explica o ginecologista.
Já na Fertilização In Vitro, os espermatozoides são colocados juntos com os óvulos em um ambiente artificial (incubadora) que imita o ambiente uterino para ocorrer a fertilização natural, em um ambiente artificial, que posteriormente formará o embrião. Por volta do terceiro dia de desenvolvimento, os embriões são transferidos para o útero com auxílio de um cateter. Esse procedimento é indicado para mulheres com obstrução tubária, endometriose ou quando o parceiro tem baixa concentração de espermatozoides. Segundo o Dr. Joji Ueno, apesar de não parecer, é um processo simples e não há necessidade de sedação.
Quais são as chances de sucesso dessas técnicas?
Para uma mulher com até 35 anos de idade, a chance de engravidar pela inseminação artificial é de, em média, 18% e para a fertilização é cerca de 40%. No entanto, nos dois casos é preciso levar em consideração fatores como idade e saúde da receptora. “Tudo depende da idade da paciente, se fizeram várias cirurgias nos ovários e a integridade do útero, porque é onde ocorre a implantação do sêmen”, diz o médico.
Por que geralmente nascem gêmeos ou trigêmeos?
Geralmente são implantados mais de um embrião para aumentar a chance de ocorrer a gravidez. Por isso é tão comum o nascimento de gêmeos ou trigêmeos. “Mas, hoje, o mais recomendado é que seja feita a transferência de dois a três embriões porque as gestações múltiplas aumentam o risco de prematuridade e complicações na gravidez, mas na maioria das vezes transfere-se de 1 a 2 embriões”, explica o médico.

Fonte- Ginecologista Joji Ueno (CRM-48.486), doutor em medicina pela Faculdade Medicina da USP e responsável pelo setor de Histeroscopia Ambulatorial do Hospital Sírio Libanês e Diretor na Clínica Gera.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Doenças comuns na infância

Nem todas as doenças costumam ser graves, mas exigem cuidados específicos para evitar complicações Catapora A catapora, também chamada de varicela, é uma das doenças

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!