Clique e acesse a edição digital

Laboratório público produzirá células-tronco sem embriões

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, inaugurou, nesta segunda-feira (30), o Laboratório Nacional de Células-Tronco Embrionárias (Lance), na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Na instalação, serão produzidas as unidades da linhagem brasileira de células-tronco pluripotentes induzidas, que podem se transformar em qualquer célula sem ser criada a partir de embriões – a primeira linhagem foi desenvolvida pela equipe da UFRJ, no início deste ano. O investimento foi de R$ 4 milhões, divididos entre Ministério da Saúde , o BNDES a FINEP e CNPq.

 

 

A solenidade, realizada no auditório do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, comemorou também os 40 anos do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). “O Ministério da Saúde se orgulha de apoiar esse laboratório. O Brasil está na frente, entre os cinco países do mundo que detêm a tecnologia das células-tronco. Está na vanguarda do conhecimento para doenças genéticas que não têm cura”, afirmou Temporão. Segundo ele, a iniciativa ganha ainda maior relevância pelo fato de o laboratório e a tecnologia estarem à disposição de uma universidade pública e um hospital universitário.

O apoio para pesquisas com células-tronco é apenas um exemplo do que o Ministério da Saúde vem fazendo pela ciência no país. Desde 2003 até o primeiro semestre de 2009, R$ 532,75 milhões foram investidos em 2.694 projetos científicos de universidades e instituições de pesquisa.

O Brasil, no início deste ano, foi o quinto país a produzir células-tronco pluripotentes induzidas. A pesquisa foi coordenada pela Lygia da Veiga Pereira, pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP) e Stevens Rehen da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Tanto Lygia quando Rehen são estudiosos das células-tronco e tiveram estudos financiados pelo Ministério da Saúde, através da Rede Nacional de Terapia Celular (RNTC).

Ela chegou a primeira linhagem de célula-tronco embrionária humana no Brasil e ele produziu a primeira linhagem de células-tronco obtidas sem o uso de embriões (células-tronco induzidas). Rehen recebeu R$ 200 mil, em 2005, e Lygia, R$ 230 mil, naquele mesmo ano. A expectativa é de encerrar o ano com um investimento de R$ 3 milhões, para prosseguir os estudos. Isto deixa os pesquisadores nacionais ao lado de outros da China, Estados Unidos, Alemanha e Japão.

A Rede Nacional de Terapia Celular (RNTC), coordenada pelo Ministério, deve encerar o ano com um investimento total de R$ 32 milhões, em 2009, divididos entre BNDES e dos Ministérios da Ciência e Tecnologia e da Saúde.

Diretor do Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ, Roberto Lent, disse, durante a inauguração do laboratório, que a medida potencializa os projetos do setor. “É um projeto ambicioso e ousado que teve importante apoio dos Ministérios da Saúde, Educação, Ciência e Tecnologia e do BNDES”.

Participaram da cerimônia de hoje o presidente da Capes, Jorge Almeida Guimarães; o diretor do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, Alexandre Pinto; a vice-reitora da UFRJ, Sylvia da Silveira Vargas; o diretor da Faculdade de Medicina, Antônio Ledo da Cunha; o secretário de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde, Reinaldo Guimarães; e o decano de Ciência da Saúde, Almir Fraga Valladares.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Por que falar de fotoproteção?

Os dermatologistas chamam a atenção cada vez mais sobre a importância da fotoproteção adequada, um assunto muito presente no nosso cotidiano, principalmente em um país

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!