Clique e acesse a edição digital

MÃES CONTROLADORAS

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A maternidade é uma experiência única e todos sabem que inclui momentos fáceis e difíceis, assim como de felicidade e de angústia.
Ser mãe é simplesmente estar atenta a muitas questões, e como diz o ditado: “É padecer no paraíso”.
Mas que relação tem tudo isso com as mães controladoras?
Na verdade, o que percebo é que muitas delas, para se sentirem firmes e fortes nessa função, precisam estabelecer certo controle sob
re os filhos, o que, em alguns casos, nem sempre é saudável para o desenvolvimento da autonomia e tampouco da personalidade deles. Vale ressaltar que estou falando de controle, muito diferente dos limites, que são fundamentais na educação dos filhos.
A palavra controle, segundo o dicionário, significa, poder, domínio sobre alguém ou algo; domínio da própria vontade ou das emoções. E controlar significa, submeter a exame e vigilância; agir com restrição sobre algo ou alguém.
A partir disso, podemos pensar no porquê de algumas mães – e pais também – terem a necessidade de estabelecer um controle além do necessário sobre os filhos. O que me ocorre é que quando precisamos impor nossa vontade ao outro, agindo dessa forma com dominação, estamos impedindo que essa pessoa se desenvolva de modo psiquicamente saudável, pois podemos cercear sua criatividade.
É possível observarmos em alguns bebês essa criatividade e autonomia limitada, em face do supercontrole da mãe que, muitas vezes, nem percebe que está causando um mal ao filho.
Quer se trate de bebê, criança ou adolescente, a personalidade individual é facilmente percebida sob o controle materno excessivo, e nesse momento, entra em ação a força de cada um. Por esse motivo é que muitas vezes apostamos muito mais nos bebês, nas crianças ou nos adolescentes que movimentam o ambiente, pois essa atitude denota força e capacidade de lutar contra uma invasão. Contudo, tais movimentações necessitam de olhar cuidadoso, pois podemos já estar falando de sintomas instalados, causadores de problemas e conflitos familiares.
Os pais precisam estar atentos às necessidades dos filhos e com isso apenas caminhar com eles, pois sozinhos são capazes de evoluir e desenvolver a criatividade a partir deles próprios. E isso não quer dizer que devam ser ausentes ou negligentes, pois caminhar lado a lado não é sinônimo de “caminhar por” ou “abrir mão de”.
Entrar em contato com as próprias questões pode ser uma forma de perceber a relação que está estabelecendo com o filho, assim como o lugar que ele representa em sua vida, razão pela qual um processo terapêutico pode ser muito rico e elucidativo nesse momento. Muitas vezes os filhos fazem os sintomas, mas quem necessita de cuidados e orientação e, talvez até tratamento, são os pais.

Cynthia Boscovich
Psicóloga clínica, psicanalista. Atende adolescentes e adultos em seu consultório, e possui também um trabalho específico com grávidas, mães e bebês, na área de prevenção e tratamento.
www.cuidadomaterno.com.br
Tel. (11)5549-1021

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Os benefícios dos cereais

Ricas fontes de fibras, vitaminas, minerais e antioxidantes, estes alimentos podem ser facilmente incluídos na dieta diária Milho, arroz, aveia e linhaça são apenas alguns

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!