MAU HÁLITO: ESTÔMAGO NÃO É O VILÃO

Tempo de Leitura: 2 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

“A halitose pode denunciar a ocorrência de alguma patologia ou problema de saúde. Entretanto, pode também sinalizar alguma alteração fisiológica. É um sinal de que algo no organismo está em desequilíbrio, devendo ser identificado através de um correto diagnóstico e tratado adequadamente quando o problema torna-se crônico”, explica o médico e cirurgião geral Dr. Sérgio Barrichello (CRM-111.301), da Clínica Healthme gerenciamento de perda de peso.
Embora frequentemente responsabilizado pela alteração no odor do hálito, o estômago na grande maioria dos casos não tem nenhuma relação com a halitose. Segundo Barrichello esse é o maior mito em relação ao mau hálito. “As alterações estomacais, como a gastrite ou o refluxo, não podem ser responsabilizadas pelo mau hálito, pois temos um músculo entre o esôfago e o estômago que Limita a passagem de liquidos e gases para a boca, explica. Segundo o endoscopista, a associação que pode ser feita é entre halitose e jejum prolongado, já que quando o estômago passa muitas horas vazio um odor desagradável aparece.
A origem está na boca
A maior causa de halitose é oral já que a boca é o habitat de numerosas bactérias. Portanto, não escovar os dentes, a língua e não fazer uso de fio dental; cáries; placas bacterianas, próteses porosas que retêm resíduos; gengivite, estomatites, hemorragias gengivais, úlceras e retenção de sangue entre os dentes, estão entre as principais causas.
Existem outras causas extra orais: o uso de medicamentos, como antidepressivos, tranquilizantes, anti-histamínicos e descongestionantes, que produzem xerostomia, o que reduz o fluxo salivar; doenças como insuficiência renal, vários carcinomas, disfunções metabólicas e desordens bioquímicas; e alimentos, bebidas e cigarro.
É possível prevenir a halitose
Seguindo algumas dicas simples, você pode manter o seu hálito saudável. Mas atenção! Caso você já tenha halitose, é imprescindível realizar um tratamento com um profissional qualificado;
• Visite seu dentista regularmente;
• Preste atenção às suas gengivas;
• Leve uma vida saudável: pratique exercícios físicos, tome bastante água e tenha uma alimentação balanceada, com muitas frutas e verduras;
• Evite ficar mais do que 3 horas sem se alimentar;
• Evite alimentos muito gordurosos ou com odor muito forte. Quando você consumi-los, a possibilidade de ficar com halitose aumenta muito;
• Caso alguém já tenha reclamado do seu hálito, procure um especialista rapidamente.
Fonte – Médico cirurgião geral, especialista em emagrecimento Dr. Sérgio Barrichello (CRM-111.301), da Clínica Healthme gerenciamento de perda de peso.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Líderes do século XXI

Quantas vezes você já leu a biografia de um grande líder e descobriu que, quando criança foi tranqüilo, reservado e tímido? São  essas as qualidades

Leia Mais »

Grávidas nas alturas.

Voar não precisa ser uma experiência ruim. Longos voos são desconfortáveis para qualquer pessoa, mas são ainda mais desgastantes para mulheres grávidas. A sua viagem

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!