Clique e acesse a edição digital

Meu nome é coletor menstrual, muito prazer em conhecer vocês!

Tempo de Leitura: 4 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
maos-de-vista-lateral-segurando-o-copo-menstrual

Com a diminuição do número de filhos e as mudanças no estilo de vida, a mulher do século XXI chega a menstruar 400 a 500 vezes durante a vida.

A relação da mulher com o sangramento menstrual nem sempre é tranquila. As queixas mais comuns passam pelo volume e pelo odor do sangramento, mas há uma série de questões importantes que devem ser discutidas.

Uma ferramenta moderna e importante para diminuir as queixas é o chamado coletor menstrual. Já ouviram falar? Os coletores já são usados há cerca de uma década, mas ainda há muitas dúvidas a respeito.

Primeiro de tudo, devemos saber que os coletores menstruais são feitos de silicone medicinal, são flexíveis e resistentes à alta temperatura para que possam ser esterilizados. Eles devem ser trocados no período de 5 a 10 anos de uso, a depender da recomendação do fabricante.

No mercado, existem vários tamanhos a fim de proporcionar melhor adaptação de acordo com o fluxo menstrual e idade, por exemplo.

Toda mulher pode utilizá-lo, mas atenção especial deve ser dada às mulheres que ainda não tiveram penetração, uma vez que eventualmente a utilização pode ocasionar o rompimento do hímen.

Interessante dizer que o coletor menstrual pode ser mantido dentro da vagina por até 12 horas, ao contrário dos absorventes internos que devem ser trocados em até 4 horas.

A cada início de ciclo menstrual, ele deve ser esterilizado, seja no micro-ondas, ou ainda em panelas ou recipientes específicos. Durante a utilização, após o preenchimento do coletor, as etapas a seguir são as seguintes:

1. retirar

2. esvaziar o conteúdo

3. lavar em água corrente

4. reintroduzir.

No final do ciclo menstrual, o coletor deve ser novamente esterilizado, enxugado e guardado em local adequado.

Do ponto de vista médico, para além das vantagens no dia a dia, com a utilização dos coletores menstruais é possível uma melhor quantificação do fluxo menstrual, como também coloração e odor do sangramento.

Outro grande ponto positivo dos coletores menstruais é o menor impacto causado à natureza. Em cada ciclo menstrual, uma mulher consome em média 20 absorventes. Em dez anos, seriam mais de 2000 absorventes. E cada absorvente leva em média 400 anos para se decompor, já que a principal matéria-prima é o plástico. Em escala, os números são relevantes!

Outro destaque vai para a diminuição de alergias e irritações na pele da vulva e raiz da coxa. Vale dizer também que algumas mulheres que usam absorventes externos podem experimentar escurecimento da região íntima, situação que não ocorre com o coletor menstrual.

Uma variante dos coletores menstruais são os discos menstruais. Possuem uma capacidade de coleta menor e sua principal vantagem é a possibilidade de ter relações sexuais no período menstrual sem contato com o sangue.

Porém, um alerta deve ser feito. Embora o formato do disco menstrual seja semelhante aos diafragmas utilizados como método contraceptivo, tal dispositivo não deve ser utilizado para essa finalidade!

Por fim, uma dúvida frequente: as usuárias de Dispositivos Intrauterinos (DIU) também podem utilizar os coletores e discos menstruais? A resposta é SIM! Apenas deve haver uma maior atenção na inserção e retirada do dispositivo, principalmente de maneira a eliminar o vácuo antes da retirada completa. Nada difícil!

Converse com sua ginecologista sobre o assunto. Vale a pena tentar se você tem enfrentado problemas com absorventes, ou ainda, se você busca uma solução melhor para seu estilo de vida ou rotina de trabalho, família, vida sexual, esportes etc. etc.


Dra. Larissa Atala
Ginecologista e Obstetra, membro da Febrasgo
Especialista em Endoscopia Ginecológica
@dralarissaatala
dralarissaatala@gmail.com
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

DE OLHO NA BALANÇA:

Segundo o clínico geral e fisiologista do exercício, de São Paulo, João Pinheiro (CRM-SP 74.184), a principal causa é a falta de uma alimentação balanceada,

Leia Mais »

Teste do Pezinho: para todos os bebês!

O exame laboratorial, chamado também de triagem neonatal, detecta precocemente doenças metabólicas, genéticas e infecciosas, que poderão causar alterações no desenvolvimento neuropsicomotor do bebê. Falemos

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!