Clique e acesse a edição digital

Mulheres grávidas têm cérebros alterados

Tempo de Leitura: 2 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Female hands holding paper cut brain and soul. Conflict between emotions and rational thinking. Balance and equilibrium between mind and heart concept.

Quando a mulher engravida, não é só o corpo que passa por transformações. O cérebro também. Para você, que trabalha na Primeira Infância, algumas informações podem ajudá-lo a orientar essas mães e mostrar-lhes o quanto essa fase de suas vidas está repleta de mudanças e precisa ser especialmente cuidada.

Gestantes e mães que acabaram de dar à luz pela primeira vez vivenciam a influência de uma enxurrada de hormônios ativados nessa etapa da vida, sofrendo alterações em várias áreas do cérebro, ligadas à regulação emocional, empatia, ansiedade, interação social e motivação maternal. A parte cinzenta do sistema central nervoso fica mais concentrada. Tudo isso propicia o estabelecimento do vínculo entre mãe e filho. Na amídala cerebelosa da mãe, grupos de neurônios entram em ação para ajudá-la a processar a memória e emoções como medo e agressividade, tornando-as, sobretudo nos primeiros meses pós-parto, hipersensíveis às necessidades do bebê.

Essa sensibilidade especial da mãe só é atividade com a própria prole. É por isso que todas as mães acreditam que seus bebês são mais bonitos e inteligentes do que os outros.

O que uma parte dos pesquisadores acredita é que a ação da amídala é extremamente importante e que possíveis lesões nos neurônios seriam responsáveis pela depressão pós-parto, por exemplo. Acreditam, também, que danos na amídala das crianças também tendem a afetar a relação com a mãe.

O principal hormônio, que alimenta a amídala, é a oxitocina, ajudando a gestante ou recém-mãe a vincular-se melhor ao bebê. O que se sabe é que quanto mais a mãe se envolve com a criança, mais desse hormônio ela produz. A oxitocina também aumenta quando as mulheres amamentam e, segundo estudos recentes, ficam mais sensíveis ao choro dos filhos.

Esse processo todo no cérebro da mãe é bastante semelhante ao que acontece quando as pessoas se apaixonam, ativando os mesmos circuitos neurológicos.

Tudo para ressaltar a importância de uma gestação saudável, pautada em um pré-natal bem feito e em relações familiares positivas para que todas as conexões neurológicas possam acontecer e mãe, pai e filho consigam criar vínculos fortes favorecendo um melhor desenvolvimento da criança.

Conteúdo autorizado para reprodução na Revista Materlife com a fonte retida pelo publicador.

Divulgado em: Blog da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Tenha uma boa noite de sono

Hoje vou escrever sobre um dos cômodos mais importantes para todos nós. Nele, repomos nossas energias dormindo uma boa noite de sono. Namoramos. Sonhamos e

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!