Clique e acesse a edição digital

O que NÃO FAZER para ajudar na adaptação do bebê ao berçário?

Tempo de Leitura: 4 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
segura-bebeRD

Vai colocar o bebê no berçário esse ano? Como ajudar seu filho a se adaptar na escolinha? O que você deve evitar? Como se planejar e ajudar na adaptação do bebê?

Muitas pessoas falam o que devemos fazer para ajudar os bebês a se adaptarem ao berçário ou escolinha, mas também é importante conhecer o que pode atrapalhar a adaptação dele, e o que você NÃO deve fazer.

1) NÃO escolha a escola apenas por proximidade de casa, ou pelos recursos educativos que ela tem:

A escola pode ter um ótimo programa pedagógico, que ensina inglês, francês, alemão. Até os 2-3 anos o programa não tem tanta importância.

O principal na primeira escola, é o acolhimento que eles oferecem para a criança, o cuidado, a atenção, o número de professoras por aluno. Mais importante ainda é perguntar como é o período de adaptação que a escola propõe. Se eles deixam a mãe ficar junto ou não, se o tempo que a mãe pode ficar é livre ou se é pré-estabelecido. Seu filho pode precisar de você mais tempo que as outras crianças, e você não vai querer abandoná-lo por uma norma da escola.

2) NÃO deixe para última hora:

Às vezes a gente quer segurar o bebê em casa o máximo de tempo possível, e coloca na escola na última semana da licença maternidade, ou a última semana que sua mãe vai te ajudar a ficar com ele.

Como você já sabe, as crianças são imprevisíveis e as coisas de última hora costumam não funcionar. O bebê irá demorar um pouco para se adaptar. Depende da idade o processo pode demorar mais ou ser mais rápido.

Normalmente até os 9-10 meses os bebês estranham menos as outras pessoas. A partir de um ano, demoram mais para sentir segurança ou confiança nas pessoas que não são familiares. A ansiedade da separação entre os 10 e 18 meses pode dificultar um pouco a adaptação. Tenha Paciência.

Reserve pelo menos entre 15-30 dias para ficar à disposição do seu filho na escola.

3) NÃO o leve para escola se ele estiver doente:

As doenças na escola serão comuns e frequentes. Mas às vezes um simples resfriado pode deixar a criança mais sensível, ainda que não esteja com febre pode ter dor de ouvido ou sentir-se mal. Isso aumenta a ansiedade da separação.

4) NÃO espere que a escola introduza uma rotina:

Semanas antes de começar as aulas você já deve ir estabelecendo uma rotina parecida com os horários da escola, para que ele não tenha mais esse fator para se adaptar.

Hora para dormir, hora para acordar e hora para comer já devem estar na rotina da criança. O sono e a fome são outros fatores que irritam a criança e aumentam a ansiedade de separação. Tente deixá-lo bem-humorado, descansado e bem alimentado no horário que vai entrar na escola.

5) NÃO coloque seu filho para escola se ele ou se você não está preparada:

Por último e mais importante. É claro que é muito difícil uma mãe estar preparada para isso, mas esteja convencida e segura de que essa foi a melhor alternativa que você encontrou.

Se você pensa que ele estará mais bem cuidado em casa, por uma babá, pelos avós, ou por você mesmo se você ainda puder ficar com ele, não o coloque na escola agora.

Essa história de que criança precisa socializar, ter amigos, serve para depois dos 2 anos. Até lá você pode levá-lo no parquinho, na natação, aulinha de música, lugares em que a socialização é feita junto com você e de maneira mais lenta.

Se a escola é a única alternativa que você tem, não se culpe por não poder ficar com ele. Seja firme. Tente compensar sua ausência aproveitando melhor o tempo e dedicando-se exclusivamente a ele quando estiverem juntos.

Créditos:

Dra. Fernanda Freire Médica especialista em Pediatria, Alergia e Imunologia pela UNIFESP. Mestre em Imunologia pela Universidad Complutense de Madrid (Espanha). Criadora do site seupediatra.com, onde escreve outros textos sobre cuidados com as mães e filhos. Atende em consultório particular em São Paulo – SP. CRM-SP 130329

www.seupediatra.com

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

O cigarro e as crianças

Os primeiros registros de uso do tabaco datam de meados do século IX, utilizado por tribos indígenas em seus rituais religiosos. Historiadores acreditam que a

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!