Clique e acesse a edição digital

Os falsos e verdadeiros hiperativos

Tempo de Leitura: 4 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Active kid crawling on colorful mats through hula hoops held by other children. Sport compeptition at kindergarten.

Em minha experiência médica diária, percebo três tipos de bebês, cujo temperamento mostra-se desde os primeiros dias de vida. Temos os bebês hipoativos, os normativos e os hiperativos. Os bebês hipoativos são bastante calmos, mamam e dormem, não reclamam, mesmo que a mãe não tenha leite suficiente, ou nem por estarem agasalhados demais. São bebês que vão crescer mais calados e que, aparentemente, aceitarão os fatos os quais acontecerão ao seu redor, sem reclamar.

Os bebês normativos são os que consideramos equilibrados. Que têm reações a tudo que os cercam, mas com moderação, reclamam com menos intensidade, vivem melhor, sem ansiedade e problemas de saúde.

Já os bebês hiperativos são aqueles que, já nos primeiros dias de vida, arregalam os olhos, passam mais tempo acordados, franzem a testa muito precocemente e reclamam de tudo: do leite se não sair adequadamente; do incômodo da roupa; de ficar sozinho. Eles não ficam quietos um minuto. Adoram passear, desde os primeiros dias de vida, principalmente, de carro. E reclamam ao parar no sinal vermelho.

Esses bebês vão crescer reclamando de tudo e de todos. Choram por tudo. Levam tudo à boca com mais intensidade. Caem mais e sofrem mais acidentes por causa da grande energia e vontade de explorar tudo a sua volta. Falam muito, gesticulam o tempo todo e fazem várias atividades ao mesmo tempo. Precisam de espaço e não se adaptam a rotinas ou atividades paradas. Na escola, a dificuldade é ficarem sentados por quatro horas.

Os pais e o pediatra devem estar atentos para saber conduzir e orientar, desde cedo, essas crianças, para evitar problemas futuros. Elas, se bem conduzidas, tornar-se-ão pessoas batalhadoras, mais competentes, com grande capacidade de realização pessoal. É importante a orientação correta, para que canalizem sua energia, tanto na positiva construção do conhecimento, como do lazer.

O maior desafio para todos nós são os falsos hiperativos, aqueles que parecem, mas não são. Como assim? Exemplificamos. Com muita frequência, encontramos mães reclamando que seus filhos não param, pulam o tempo todo, são agressivos, dormem mal, batem-se a noite toda, não comem bem. Numa avaliação mais profunda, encontraremos crianças com dor, geralmente, por uma esofagite, por refluxo gastroesofágico e, como não sabem dizer o que sentem, tentam, de todas as formas, livrarem-se da dor com essas atitudes. Parece um hiperativo, mas, com o tratamento correto, transformam-se em crianças calmas e dóceis.

Outro exemplo são os bebês, crianças ou até adultos que têm dor por alergia ou intolerância a algum alimento – a mais comum tem o leite como causa –, tornando-se, também, pessoas com manifestações de hiperatividade. A partir do momento em que se tira ou se troca a alimentação, também muda o comportamento.

Há, também, os bebês que passam fome, e, por isso, ficam hiperativos, e quando são alimentados adequadamente passam a dormir e ficar bastante calmos. Crianças com verminose, que se tornam hiperativas, por causa da dor e da coceira, e não param, nem para dormir; tratadas, voltam a ser doces.

E como ficam aquelas crianças que não conseguem desenvolver-se na escola, além de ninguém conseguir ficar perto, devido a sua agitação? Uma grande maioria torna-se assim porque os pais e familiares estão em conflitos ou a agridem e ela responde com hiperatividade, numa resposta à agressão vivida. Crianças rejeitadas pelos pais, para chamar a atenção, para receber a atenção ou até para unir os pais novamente. Portanto, existe uma gama de causas que podem levar à hiperatividade e que podem ser resolvidas, desde que se identifiquem as causas e as tratem.


Lembremos: sempre que nos depararmos com alguma criança hiperativa, antes de medicá-la, procurar, exaustivamente, uma causa física, caso não encontrar, ir à busca de um fator emocional. Com certeza, acertaremos, na grande maioria dos casos.

Fonte: Dr. Cecim El Achkar é pediatra

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

A barriga cresce

A barriga cresce Crescem os sonhos, Um pulo no futuro, Um filho. Continuidade de duas histórias História única, filho do mundo. A barriga cresce Crescem

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!