Clique e acesse a edição digital

Por que uma boa Primeira Infância faz diferença na vida adulta?

Tempo de Leitura: 2 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Cute pupils smiling at camera by the school bus outside the elementary school

Você tem respostas para esta pergunta? Nós temos algumas e queremos compartilhá-las com você, que trabalha pelo bom desenvolvimento infantil

Caio Megale, mestre em economia pela PUC-RJ, escreveu um artigo muito interessante para o Jornal Valor Econômico. Ele ressaltou que existem certos aspectos que definem o bem-estar das pessoas. Um deles, e o mais importante, é a educação. Mais que isso: a educação na Primeira Infância (período que vai da gestação aos seis anos), porque ela é determinante para o sucesso dos indivíduos ao longo da vida. Quando Caio fala em educação, ele não se restringe à escola:

“Crianças expostas à estimulação adequada, acompanhamento próximo dos pais ou responsáveis e a um ambiente saudável – o que envolve inclusive boas condições de saúde, saneamento e alimentação – têm maior probabilidade de desenvolver sua capacidade cognitiva, ou seja, de competência para interpretar, refletir, raciocinar, assimilar ideias complexas etc. E o aumento da cognição está correlacionado com melhor desempenho escolar e, por conseguinte, maiores chances de sucesso profissional na vida adulta”.

Agora confira estes dados:

Entre 2001 e 2013, o percentual de crianças de até três anos de idade em creches subiu de 14% para 28%.


Entre 4 e 5 anos de idade, o percentual já se aproxima de 90%.
O percentual da população com banheiro em domicílio supera 95%.
A população com acesso a saneamento básico avançou de 39% em 1992 para 58% em 2014.


A taxa de mortalidade infantil até 5 anos caiu de 61 (em mil) em 1990, para 16 (em mil) em 2014.

Os índices indicam avanços na qualidade de vida e impactam no tempo de permanência de crianças e jovens na escola – eram menos de cinco anos em 1992, passando para oito anos em 2014.

No entanto, mesmo com esses avanços, a mão de obra brasileira não está melhor. A produtividade ficou estagnada. Por quê? Segundo Megale, porque a qualidade da educação deixa muito a desejar. A da saúde também.

Como mudar esse cenário? Primeiro, investindo em projetos e políticas públicas que foquem a Primeira Infância, base de todo o desenvolvimento humano.

Segundo, criando estratégias no longo prazo, ou seja, que promovam o bem-estar da gestante, o cuidado do bebê, da criança, a qualidade da creche e pré-escola, o apoio a famílias que vivem em situação de risco social…

Conteúdo autorizado para reprodução na Revista Materlife com a fonte retida pelo publicador.

Divulgado em: Blog da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

COMPLICAÇÕES DAS VARIZES

Segundo o angiologista Ary Elwing (CRM-22.946), especialista em cirurgia vascular periférica e tratamento a laser, as varizes da gestação são mais comuns nas pernas, embora

Leia Mais »

Alerta Coronavírus

Nos últimos dias temos assistido a muitas notícias desse novo vírus que tem alarmado o mundo. Afinal quem é ele? O que ele pode causar?

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!