Clique e acesse a edição digital

Sangramentos nasais! Por que acontece e o que fazer?

Tempo de Leitura: 2 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
sangramento 2

Epistaxe é o nome técnico para sangramentos nasais.

O nariz tem a função de umidificar e aquecer o ar respirado, e para isso sua mucosa é muito vascularizada. 90% das epistaxes são originados da região anterior do septo nasal, chamada também de área de Little ou Plexo de Kiesselbach. Nesta região, existe uma grande quantidade de pequenas artérias e veias e quando se rompem os sangramentos são volumosos e assustam pais e pacientes. 10% dos casos podem ser originados da região posterior do nariz e podem ser mais graves. É bem comum em crianças de 2 a 8 anos.

Dentre as causas temos pela manipulação do nariz com os dedos, baixa umidade do ar, calor excessivo, inflamação (secundária a sinusite, rinite alérgica e irritantes ambientais), hipertensão arterial (pressão alta), corpo estranho nasal, uso de medicamentos orais ou nasais, trauma, cirurgia nasal prévia, alteração da coagulação, tabagismo, uso de drogas ou tumores e leucemias.

O que fazer quando o sangramento ocorrer? Primeiramente, mantenha a calma!

Primeiro passo: apertar o nariz, tampando completamente a respiração nasal e respire pela boca por 05 minutos.

Segundo passo: Inclinar a cabeça para frente e não para trás! Assim evita-se engolir sangue.

Terceiro passo: Faça compressa de gelo e coloque em cima do nariz.

Como prevenção temos a hidratação nasal através das lavagens de alto volume e o uso de umidificadores principalmente em épocas secas do ano.

Os sinais de alerta são se o sangramento durar mais de 15 minutos, se ocorrer após um trauma de face ou crânio, se ocorrer simultaneamente a outros sangramentos como pele e gengivas, pressão arterial >160×110 mmhg, sangramento frequente sempre do mesmo lado principalmente em meninos, história de introdução de corpos estranhos e história familiar de doença hematológica.

Caso você, seu filho ou filha apresentem epistaxes frequentes ou um episódio com os sinais de alerta, procure um otorrinolaringologista. O tratamento pode ser desde tampão nasal, cauterização química ou até mesmo necessidade de tratamento cirúrgico.

Dra. Mariana Rosa

Médica, graduada pela Faculdade de Medicina de Vassouras – RJ

Otorrinolaringologista pelo Instituto Felippu

• Rinologia – cirurgia funcional do nariz e seios da face

dramarianarosa.orl@gmail.com

@marianag_rosa

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Acne na adolescência

A acne é uma doença inflamatória, da glândula sebácea, que é muito comum. É ainda mais comum na adolescência e merece uma atenção especial, pois

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!