Clique e acesse a edição digital

Seios bonitos após a gravidez

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Depois da gestação, é comum o corpo sofrer alterações, que muitas vezes não são para melhor. O seio é um dos principais pontos de mudança, deixando algumas mulheres com vergonha até de seus maridos. Mas não há razão para desespero, as cirurgias corretivas são simples e os resultados muitas vezes satisfatórios.

De acordo com a genética, há um grupo de felizardas que após a gravidez e a amamentação não sofrem alterações nos seios. Outras mulheres têm o peito aumentado – o que podem alegrar algumas e desesperar outras. Por fim, existem aquelas que ficam com os seios menores e muito flácidos. Para resolver esses problemas, há dois tipos de cirurgia – a mamoplastia redutora e a mamoplastia de aumento dos seios. A operação de redução é um pouco mais complexa, como explica o cirurgião Ithamar Stocchero, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, regional São Paulo, “é retirada uma parte do seio, mas ainda assim, não há o que temer. Trata-se de um processo simples. Eu digo às pacientes que elas correm mais riscos nas ruas do que na mesa de cirurgia, amparadas por especialistas”.

No extremo oposto, a mulher pode ficar com o peito menor e também querer mudar a situação. Neste caso, o médico faz o implante de silicone. “O processo é ainda mais simples que o anterior. Nessa cirurgia, a única parte extraída é a pele excedente” diz o médico. Nos dois processos a mulher recebe anestesia geral.

Ao contrário do que acontece com outros tipos de cirurgia estética, nestes procedimentos não houve muita evolução. O que ocorre é que as cicatrizes são cada vez menores. Muitos médicos optam por efetuar o corte na auréola do seio, onde a marca é quase imperceptível. Já Stocchero prefere realizar a cirurgia com o corte nas laterais. Segundo ele, embora a cicatriz fique um pouco maior, o resultado estético da mama é muito melhor. Mesmo tendo passado por qualquer uma dessas cirurgias, a mulher poderá ter outros filhos normalmente, mas a que teve a mama aumentada após a primeira gestação corre o risco de passar pelo mesmo problema em uma nova gravidez.

O indicado é controlar o peso, aplicar cremes específicos e, se não ficar satisfeita com o resultado, se submeter a uma nova cirurgia ou, como é mais comum, só passar pelo processo cirúrgico após decidir não ter mais filhos. Já a que colocou silicone porque o peito diminuiu numa gestação não terá muita alteração em uma nova gravidez, porque a prótese não sofre mudanças.

No entanto, é comum a pergunta: o silicone interfere na amamentação? A resposta é não.

Quem garante é a presidente do departamento de aleitamento materno da sociedade paulista de pediatria, Keko Teruya. A médica diz que o silicone não tem qualquer influência no leite materno – nem na qualidade, nem na quantidade – e cita como exemplo a atriz Luiza Thomé, que, depois de colocar silicone nos seios, foi mãe de gêmeos e amamentou os bebês normalmente.

“Amamentar é um ato de amor que aproxima a mãe do filho. Quando alimentada com mamadeira, a criança volta os olhos para o mundo, quando alimentada com o seio, a criança fixa o olhar nos olhos de quem a alimenta”, finaliza a especialista.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Alimentos de risco

Infelizmente, os alimentos mais apreciados pela criançada são os chamados “cariogênicos”, ou seja, contém açúcar e causam cárie. Quando comemos alimentos açucarados, as bactérias da

Leia Mais »

Malformação pulmonar

Equívocos no diagnóstico levam a atraso no tratamento e mais sofrimento ao paciente Problemas na formação dos pulmões podem acontecer e, geralmente, são tratados completamente,

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!