Clique e acesse a edição digital
Tempo de Leitura: 4 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
baby food on a white background. Selective focus

Antes de decifrar essa dúvida de muitas mamães, eu gostaria de ressaltar que a atual recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria é que a alimentação complementar seja introduzida apenas a partir do 6º mês, independentemente do tipo de aleitamento que o bebê esteja recebendo (materno exclusivo, fórmulas infantis ou aleitamento misto).

Após o aleitamento materno exclusivo – que deve ser até os 6 meses de vida ou mesmo quando não tenha sido possível por alguma questão – chegará a hora de ofertar à criança outros tipos de alimentos que darão suporte ao crescimento saudável. Isso é o que eu chamo de alimentação complementar. É nessa hora que surgem muitas dúvidas, sobre o que deve ou não ser feito. Começo com a alimentação doce* ou salgada?

*Quando falo alimentação ‘doce’, estou me referindo exclusivamente às “frutas”. (Não é recomendado – em hipótese alguma – iogurtes, chocolates, achocolatados, balinhas, pirulitos, jujuba etc.)

É comum (e bastante antiga, inclusive) a introdução alimentar começar por alimentos ‘doces’. Isso se explica até por conta da tendência natural das crianças, que têm maior predisposição para os alimentos adocicados.

Porém, hoje o que tem sido recomendado por especialistas é o início da introdução alimentar com os dois tipos de refeições no mesmo período. Respondendo à questão inicial: Aos seis meses de vida é recomendável que se inicie com os dois tipos de refeições ao mesmo tempo, tanto às ‘doces’ (frutas), como as ‘salgadas’ (que de salgadas não tem nada, já que é vedado o uso de sal antes do primeiro ano de vida do bebê).

Mas em relação às frutas (alimentação doce), há vários cuidados que se devem atentar. É costume da maioria incluir frutas em purês, raspadinhas ou mesmo em pedacinhos para a criança sentir a textura do alimento. Mas deve-se evitar inicialmente a introdução do kiwi e do morango, por exemplo. Não que sejam ruins, mas são frutas com maiores incidências de casos de alergias.

Por recomendação da pediatra e da nutricionista, iniciei a alimentação complementar do meu filho da seguinte forma:

Alimentos do 1° ano de vida:

1° Grupo: Mandioca, batata, batata doce, cará, inhame, batata salsa.

2° Grupo: Cenoura, beterraba, vagem, chuchu, quiabo, abobrinha, abobora cabotiá, couve-flor, brócolis.

3° Grupo: Couve, rúcula, mostarda, espinafre, almeirão, taioba.

4° Grupo: Mamão, pera, maçã, banana maçã ou banana prata, laranja da ilha/Ioa.

5° Grupo: Peixe fresco, frango, musculo moído.

Cardápio (após o 6º mês):
1° semana: Papa salgada somente com legumes e verduras (Ex: Um alimento do 1° grupo + um alimento do 2° grupo)
SOMENTE ALMOÇO

2° semana: Papa salgada somente com legumes e verduras (Ex: Um alimento do 1° grupo + um alimento do 2° grupo + um alimento do 3° grupo) –
Sobremesa: Uma fruta do 4° grupo (Ex: Amassadinha ou raspada)
SOMENTE ALMOÇO + FRUTA

3° semana: Papa salgada somente com legumes e verduras (Ex: Um alimento do 1° grupo + um alimento do 2° grupo + um alimento do 3° grupo + um alimento do 5° grupo) –
Sobremesa: Uma fruta do 4° grupo (Ex: Amassadinha ou raspada)
SOMENTE ALMOÇO + FRUTA + JANTA

4° semana: Papa salgada somente com legumes e verduras (Ex: Um alimento do 1° grupo + um alimento do 2° grupo + um alimento do 3° grupo + um alimento do 5° grupo) –
Sobremesa: Uma fruta do 4° grupo (Ex: Amassadinha ou raspada)
SOMENTE ALMOÇO + FRUTA + JANTA + FRUTA

Observações:
– Utilizar o sal somente após o 9° mês de vida, de preferência uma pitada de sal marinho light.
– Após as 4 semanas iniciar gradativamente os itens: Arroz, macarrão, feijão, lentilha, grão de bico, ervilha, milho.
– Evitar suco antes de 1 ano de idade.
– Evitar doces, chocolates.

Segundo a AMS Brasil – Aleitamento Materno Solidário, é muito importante que a mamãe tenha uma alimentação saudável, variada e equilibrada, pois a criança amamentada sente esses sabores através do leite materno. Dessa forma, quando for oferecido um alimento novo na refeição, o fato de o bebê já ter sentido esse sabor enquanto estava em aleitamento materno poderá facilitar e favorecer a aceitação.

A introdução alimentar não é fácil, mas vale a pena!

Conteúdo autorizado para reprodução na Revista Materlife com a fonte retida pelo publicador. 

Divulgado por: Jéssica Macedo, autora do Blog Me Sinto Grávida.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!