Clique e acesse a edição digital

Gestante comer por dois

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Beautiful natural woman in pregnant relaxing on sofa

Ainda hoje é comum que achemos que uma grávida deva comer por dois, afinal ela tem que “alimentar” a criança que carrega em seu ventre. Mas existe realmente tal necessidade?

Embora seja verdade que a gestação exija um aumento nas necessidades nutricionais, isso não significa que a mãe precise dobrar sua ingestão de alimentos. Em vez disso, é importante que ela mantenha uma dieta equilibrada e nutritiva, rica em vitaminas, minerais, proteínas, carboidratos saudáveis e gorduras saudáveis.

Importante salientar que as necessidades se baseiam no peso pré gestacional, sendo que mulheres que estão em sobrepeso ou obesidade têm uma necessidade de ingestão calórica menor em relação às que estão dentro do peso adequado. O cálculo inicial se baseia em cerca de 30kcal/kg/dia nas mulheres nessa faixa de peso (adequado), além de levarmos em conta outros fatores como doenças pré-existentes e sedentarismo.

Durante o primeiro trimestre da gravidez, não há um aumento significativo nas necessidades calóricas. As mulheres grávidas geralmente não precisam de calorias extras neste estágio.

No segundo trimestre, as necessidades calóricas aumentam ligeiramente, mas ainda não é um aumento substancial. A OMS sugere um aumento de cerca de 340 calorias por dia durante este período.

No terceiro trimestre, quando o bebê está crescendo rapidamente, as necessidades calóricas aumentam um pouco mais. A OMS recomenda um aumento de cerca de 450 calorias por dia durante este estágio.

Com essas recomendações, fica mais fácil o manejo do profissional neste período e maior chance de uma gravidez tranquila e saudável, tanto para a mãe quanto para a criança.

Em relação às recomendações de ganho de peso, a importância de se manter dentro de um patamar saudável implica em menor risco de diabetes gestacional, hipertensão gestacional, parto prematuro e riscos para o recém-nascido. O quadro a seguir ilustra o ideal da evolução durante a gestação

É importante lembrar que essas são apenas diretrizes gerais e as necessidades calóricas individuais podem variar dependendo de fatores como o peso pré-gravidez, a idade, a atividade física e a saúde geral da mulher. Recomenda-se que as mulheres grávidas discutam suas necessidades específicas de calorias e nutrição com um profissional de saúde, como um médico ou um nutricionista, para obter orientações personalizadas, mas que não devem comer por dois em hipótese alguma! É essencial que a gestante consuma calorias suficientes para sustentar o crescimento e o desenvolvimento fetal, mas sem exageros.

Dr. André Veinert
Formado pela Faculdade de Medicina da UNAERP – Universidade de Ribeirão Preto. Especialista em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia – ABRAN (RQE 69663) e Área de Atuação em Nutrição Parenteral e Enteral pela BRASPEN. Preceptor da Residência de Nutrologia do Hospital IGESP – São Paulo. Capacitação em obesidade e Lifestyle medicine pela Havard Medical School.
andre.veinert@healthme.com.br
@andrenutrologo
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!