Clique e acesse a edição digital

Pintas em crianças quando devo me preocupar

Tempo de Leitura: 4 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Adult fingers in glove showing birthmark on child neck back on white background

Muitos pais agendam uma consulta dermatológica visando buscar informações sobre as manchas e pintas presentes na pele dos filhos, o que é normal. Qualquer pinta ou sinal deve ser examinado por um dermatologista, que através de um aparelho chamado dermatoscópio, um instrumento utilizado no exame. Esse aparelho ilumina e amplia a lesão, permitindo a observação de cores e estruturas, e tem como objetivo analisar a pele de forma mais detalhada.

Os nevos melanocíticos que são chamados na linguagem leiga de ‘pintas’ são lesões cutâneas comuns, podendo ser elevadas ou planas que contêm um número aumentado de melanócitos. Os melanócitos são as células da nossa pele que produzem pigmento (melanina), o que é responsável pela cor da nossa pele. As “pintas” são geralmente de cor marrom, mas em alguns casos podem ser da cor da pele, rosa ou até azuis.

Os nevos podem estar presentes ao nascimento (nevos melanocíticos congênitos) ou podem se desenvolver durante a infância ou na idade adulta jovem (nevos melanocíticos adquiridos). Eles tendem a aumentar em número durante as primeiras duas décadas de vida, e os adolescentes geralmente têm um total de 15 a 25 lesões. A exposição ao sol pode estimular o organismo a produzir mais lesões.

As pintas ou nevos se caracterizam por serem assintomáticos, ou seja, elas não devem coçar, arder ou apresentar líquidos. Essa é a principal definição das pintas, entendidas como nevos benignos. Sua segunda característica comum é a cor. Geralmente são marrons, embora possam variar para tons mais escuros. Com menor frequência, elas também podem ocorrer na cor vermelha, também conhecidas como nevo ou angioma rubi e, além da cor azul. No que diz respeito à sua forma, geralmente são circulares ou ovais.

Normalmente, as pintas dos pequenos são benignas, mas mesmo assim os pais devem observar sua pele com frequência e atentar para qualquer mudança ou anormalidade. Lembrando que uma quantidade excessiva de nevos é fator de risco para melanoma que é um tipo de câncer de pele que ocorre devido ao crescimento desordenado dos melanócitos.

A maioria dos nevos melanocíticos adquiridos não exige tratamento. Pintas com risco de trauma, áreas de difícil acompanhamento de possíveis alterações morfológicas evolutivas, como o couro cabeludo ou que apresentam mudanças suspeitas e causam desconforto físico podem ser avaliadas para a remoção, mas isso não é obrigatório e nem indicado. Elas devem ser acompanhadas clinicamente pelo dermatologista a cada 6 meses ou 1 ano.

Fica claro que, dependendo do tipo de pele, há crianças com uma maior probabilidade de ter e desenvolver novas pintas. No entanto, também se estima que a exposição frequente e prolongada aos raios solares possa estimular o aparecimento de nevos. Por isso, a recomendação é proteger as crianças da exposição ao sol. Especialmente entre as 10 h e as 16h, sempre aplicar um protetor solar adequado para a pele da criança a partir dos seis meses de idade com fator de proteção solar maior ou igual a 30, utilizar roupas com proteção UV, óculos de sol, bonés ou chapéus e evitar ficar sob o sol por longos períodos de tempo.

Com essas ações, não apenas se reduzem as chances de que pintas apareçam ou cresçam nas crianças, mas também é possível prevenir o envelhecimento da pele e o surgimento de câncer de pele.

Felizmente, o câncer de pele nas crianças é raro. Contudo, não podemos negligenciar as pintas nessa faixa etária, uma vez que o diagnóstico precoce continua sendo a melhor forma de trazer a cura. Vamos juntos prevenir e combater o câncer de pele desde a infância!


Dra. Fernanda Módolo de Paula de Moura Campos
Médica Dermatologista com título de Especialista em Dermatologia pela Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Dermatologia
CRM 120155
RQE 67162

femedmodolo@yahoo.com.br
@femodolo.dermato
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Depressão na gravidez

Tenho acompanhado muitas grávidas que vivem momentos em que deveriam se sentir felizes com a gestação, porém, sem motivos aparentes, experimentam um sentimento constante de

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!