Clique e acesse a edição digital

VARIZES PÉLVICAS: DOENÇA COSTUMA AFETAR AS GESTANTES

Tempo de Leitura: 2 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A doença costuma afetar aproximadamente 15% das gestantes, normalmente mulheres que já apresentam probabilidade maior para desenvolver varizes. Por isso, segundo o angiologista Dr. Ary Elwing (CRM-22.946), especialista em cirurgia vascular periférica e tratamento a laser, o ideal é que a mulher que deseja engravidar e apresenta varizes ou tem tendência já inicie seu tratamento antes da gestação. “Se a mulher quer engravidar e apresenta sintomas que podem indicar varizes pélvicas é importante realizar um tratamento antes da gravidez. Isso vai evitar que, durante a gestação, as veias se dilatem”, aconselha.
As varizes pélvicas são semelhantes às varizes nas pernas, mas ocorrem na região pélvica-útero e ovários, e tem sintomas bem característicos. Elas aparecem principalmente devido às alterações ocorridas durante a gestação. Essas alterações incluem volume de sangue que passa pelo útero, que fica muito aumentado nesse período, e as alterações hormonais que ajudam a dilatação do útero e das veias, o que contribui para o aparecimento das varizes. “Esse tipo de varizes costuma aparecer em mulheres maduras e que já tiveram muitos filhos. Mas excesso de peso, sedentarismo e distúrbios hormonais também são fatores que influenciam no desenvolvimento da doença”, diz Elwing.
Diagnóstico e tratamento

Muitas vezes as gestantes descobrem a doença acidentalmente, durante uma ultrassonografia. Mas quando os sintomas são mais evidentes, o diagnóstico pode ser feito por um ultrassom transvaginal, chamado Ecocolor Doppler Vascular Endovaginal, exame similar a uma ultrassonografia das veias e das artérias.
Os tratamentos para as varizes pélvicas podem ser clínico, que é o mesmo tratamento realizado para as varizes das pernas associado ao uso de medicação flebotônica, e embolização ou escleroterapia endovascular, feita nos casos mais graves da doença, tratados por métodos cirúrgicos que visam à remoção de todo o bloco varicoso. “O médico também pode indicar atividade física regular ou o ajuste das dosagens hormonais. O tratamento deve ser individualizado, afinal existem muitas formas para aliviar o problema. Não há cura, mas é possível controlar os sintomas, fazendo com que as mulheres tenham uma vida normal, livre das dores e da permanente sensação de peso e inchaço na região da pélvis”, ressalta o angiologista.
Fonte – Dr. Ary Elwing (CRM-22.946), especialista em cirurgia vascular periférica e tratamento a laser.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Bebês pensam como adultos

Tal como os adultos, os bebês podem lembrar de mais coisas agrupando objetos em conjunto, segundo estudo pelo site Live Science. A constatação mostra que

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!