Clique e acesse a edição digital

COMO O MEU BEBÊ ESTÁ CRESCENDO?

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Após a concepção, as células do ovo (óvulo fecundado por um espermatozóide) se dividem várias vezes para formar o embrião. Quatro semanas após a implantação o embrião é pequeno, menor que um grão de arroz e tem um formato similar ao de um girino. A partir do início da 5ª semana, período correspondente aos primeiros dias da falha da menstruação, já é possível identificar o saco gestacional durante a ultra-sonografia. Os níveis sangüíneos de gonadotrofina coriônica (Beta-HCG) podem ser detectados poucos dias após a implantação do ovo e duplicam a cada 48 horas. Este é o momento de iniciar o pré-natal, realizar os exames laboratoriais de rotina, registrar o peso inicial e agendar as consultas mensais. 

O segundo mês (entre 6 e 8 semanas)

O embrião duplica o seu tamanho com seis semanas e inicia-se o processo de formação de órgãos vitais como a medula e o cérebro, pulmões, estômago, fígado, pâncreas, intestinos e rins. Os batimentos cardíacos do embrião se iniciam cerca de 28 dias após a fertilização, podendo ser identificados na 7ª semana de gestação por ultra-som transvaginal. Outros órgãos internos continuam o seu desenvolvimento e os esboços de membros diferenciam-se, pouco a pouco, em braços e pernas. Na oitava semana praticamente todos os órgãos internos estão formados e continuam a amadurecer durante a gestação. O embrião agora mede cerca de 1,5 cm de comprimento.

O terceiro mês (entre 9 e 13 semanas)

Agora o bebê é facilmente reconhecido como um pequeno ser humano. Braços e pernas são visíveis, o coração em plena atividade, bombeando o sangue. Os órgãos reprodutivos estão se formando, mas ainda é difícil diferenciar o sexo. A partir da 10ª semana o bebê apresenta atividade corporal exuberante, com flexão e extensão da cabeça e das extremidades, com membros bem definidos. Trata-se de época ideal para a realização de ultra-sonografia do primeiro trimestre, já que além de conhecer com precisão a idade gestacional e a morfologia fetal, ainda é possível avaliar se o bebê apresenta risco para anormalidades genéticas. A medida da transluscência nucal entre 10 e 14 semanas é um importante recurso para identificar fetos com risco aumentado para problemas genéticos, especialmente a Síndrome de Down. O médico ultra-sonografista mede a espessura de uma prega na região da nuca do embrião e avalia o risco para aquele bebê, levando também em conta a idade da mãe.

É importante assinalar que o diagnóstico definitivo da ausência ou presença de qualquer anormalidade cromossômica do feto exige a realização de biópsia de vilo corial ou amniocentese, exames invasivos que devem ser indicados ou não pelo médico obstetra.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Destaques da Semana

Destaques da Semana na Loja Materlife Kit berço – maria flor coral R$239,80     Kit Com 9 peças fabricado pela Sonho Encatado Confecções. Tecidos

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!