Clique e acesse a edição digital

A intolerância à lactose e os leites vegetais

Tempo de Leitura: 2 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
lac-cp213

A intolerância à lactose se manifesta com sintomas de distensão abdominal, cólica, dor abdominal, diarreia e até vômitos, que podem ocorrer em minutos ou horas após a ingestão do leite de vaca e/ou derivados de leite, como queijos, iogurte ou sorvete.

A intolerância à lactose ocorre pela deficiência da enzima lactase, que faz a quebra da lactose.

Após um quadro de diarreia (de modo transitório) ou com o passar dos anos (de modo permanente), essa diminuição na quantidade da enzima vai acarretar esses sintomas, quando o açúcar não digerido vai sofrer a ação de bactérias que vivem no nosso intestino.

Esse quadro pode ocorrer na população geral, mas tem uma maior prevalência em descendentes de orientais.

Diante disso, vem aquela dúvida: qual leite usar?

No mercado é possível encontrar leites de origem vegetal e leites sem lactose.

Os leites vegetais estão indicados para os pacientes com intolerância à lactose, mas além deles, cada vez mais famílias têm optado por utilizar esse tipo de bebida, além é claro, dos pacientes veganos e pacientes com alergia alimentar causada pelo sistema imunológico que reage a proteínas do leite de vaca.

Há opções caseiras (basicamente, batendo água com algum tipo de fruta seca ou cereal) e industrializadas.

Os leites vegetais podem ser feitos a partir de um único ingrediente, como por exemplo: soja, amêndoa, castanha, arroz, aveia, ou à base de um mix de plantas e óleos vegetais (geralmente industrializadas).

Eles se diferenciam não somente pelo produto do qual é feito, mas também pela fortificação com nutrientes como cálcio, vitamina D e ferro.

Esse tipo de fortificação é muito importante para o consumo das crianças, por estarem em fase de crescimento.

Outro ponto fundamental a ser comparado nas diversas opções, é a quantidade de carboidratos presentes na forma de açúcar.

Obviamente, a questão do paladar é decisiva, principalmente em se tratando de crianças, mas para uma melhor escolha, devemos tentar associar isso com a questão nutricional.

Se ainda ficar com dúvidas, um nutrólogo ou um nutricionista poderá te indicar as melhores opções. Fonte: Dra. Cláudia G. F. Troccoli Menezes, CRM- SP, atende no Consultório Cuidar (www.cuidarpediatria.com.br).

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Bico de papagaio na gestação

Frouxidão dos ligamentos da coluna na gravidez deixa as mulheres mais suscetíveis ao acometimento de lesões nas articulações vertebrais Bico de papagaio não é exclusivo

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!