Clique e acesse a edição digital

DE OLHO NA BALANÇA:

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Segundo o clínico geral e fisiologista do exercício, de São Paulo, João Pinheiro (CRM-SP 74.184), a principal causa é a falta de uma alimentação balanceada, porém, a obesidade também pode ter fator hereditário. “A criança torna-se obesa quando ela passa a comer demasiadamente e não realiza atividade física para queimar as calorias extras. Com o tempo, essas calorias se transformam em gordura e, quando ela se torna excessiva, a criança tem grandes chances de se tornar obesa”, explica.
Uma pesquisa realizada recentemente pelo Ministério da Saúde, em 2011, alertou que 83% dos pais de filhos obesos acreditavam que eles estavam apenas gordinhos e que o peso extra não afetava a saúde. “As crianças abaixo de 10 anos são consideradas obesas quando estão com 20% a mais do seu peso ideal comparado às crianças do mesmo sexo e idade”, diz Pinheiro.
A partir dos 10 anos já é possível calcular o Índice de Massa Corporal (IMC). Para isso, o peso da criança em kg deve ser dividido pela altura ao quadrado.
Meu bebê tem tendência à obesidade?
Os pais devem ficar atentos ao peso da criança e também a outros fatores que podem contribuir para que o seu filho seja obeso:
– Mães que engordam demais durante a gravidez podem gerar bebês obesos;
– Crianças com peso e altura acima da média entre 8 e 18 meses têm maior propensão ao problema;
– O bebê não deve crescer mais do que 25 centímetros no primeiro ano;
-Crianças com mais de três anos que ficam mais de oito horas por semana na frente da TV e não realizam atividade física;
– Aparecimento de gordura localizada antes dos quatro anos;
-Fator hereditário e hábito alimentar inadequado.
Consequências
A obesidade é uma doença multifatorial, ou seja, de difícil tratamento, por ter várias causas envolvidas. “Além de mexer com o psicológico da criança, a doença também pode desencadear diabetes, doença cardiovascular, lesões ortopédicas e musculares e problemas de pele”, afirma o clínico geral.
Como tratar?
O método para tratar a obesidade infantil é uma dieta acompanhada de muita atividade física e mudança de comportamento. Mas esse tratamento só será efetivo se a criança contar com o apoio e o estímulo de sua família. “Nesse momento a criança precisa do apoio dos pais e da família, ela precisa ser incentivada a vencer a obesidade por meio de uma dieta balanceada e exercícios físicos”, aconselha.
As atividades físicas devem ser aplicadas paralelamente à dieta. “Os exercícios devem ser leves no início para não assustar a criança. Ele pode ser feito de forma contínua e com a participação de duas ou mais crianças para que ela possa interagir e assim aumentar a sua autoestima”, conclui o médico.
Fonte – João Pinheiro (CRM-SP 74.184), clínico geral e fisiologista do exercício

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Proteja seu filho da gripe

Junto com os agasalhos, lá vem preocupação. É só os termômetros baixarem a temperatura para as mães temerem pela saúde das crianças. Sinais como coriza,

Leia Mais »

As fantasias infantis

A partir do segundo ano de vida a criança passa a viver num mundo de faz-de-conta, paralelo ao mundo real, e que é repleto de

Leia Mais »

Dores de cabeça infantis

Crianças podem sofrer de dores de cabeça devido à ansiedade e apertamentos de dentes. Cada vez mais, a ansiedade é desencadeadora de alguns fatores que

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!