Clique e acesse a edição digital

GIGANTOMASTIA GESTACIONAL: MAIS QUE ESTÉTICA, UMA QUESTÃO DE SAÚDE

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Na gestação, é normal acontecer o aumento dos seios. Entretanto, a gigantomastica gestacional é um crescimento que compromete a saúde da mulher, gerando problemas na coluna e dores insuportáveis.
De acordo com a cirurgiã plástica Ana Paula Polato Guiné (CRM-87.718), a gigantomastica gestacional é uma doença provocada pelos receptores da mama aos hormônios gravídicos, o que causa um rápido crescimento mamário. “O crescimento excessivo mamário compromete o esqueleto e a musculatura das costas e ombros. O seu excesso pode provocar necrose da pele com formação de úlceras, desencadeando uma grande infecção das glândulas”, explica.
A gigantomastia pode ser caracterizada por um volume exagerado de mama, distância longa entre a clavícula e a borda do complexo areolar e também por meio da desproporção da glândula. “Apesar de sua causa ainda não ser totalmente esclarecida, a gigantomastia gestacional pode estar relacionada com a estimulação anormal do tecido mamário, que pode ser desencadeada por níveis excessivos de hormônios. Também pode estar ligada a uma hipersensibilidade deste tecido em níveis hormonais normais”, destaca a cirurgiã plástica.
O problema aparece nos primeiros meses da gestação e pode afetar qualquer mulher durante a idade reprodutiva, sendo menos frequente que a hipertrofia mamária juvenil (virginal). As gestantes que sofrem de gigantomastia sentem fortes dores nas costas, enfrentam problemas de postura, principalmente com o arqueamento das costas para frente e para os lados. Dependendo do caso, a pele pode apresentar feridas, assaduras e infecções na parte inferior das mamas.
A gigantomastia gestacional é uma complicação que, geralmente, necessita de intervenção cirúrgica. A gestante pode ser submetida à cirurgia de redução de mamas, desde que seja diagnosticado que o bebê está em perfeita condições de saúde. “É importante ressaltar que existe a possibilidade de a doença voltar após a mamoplastia redutora, caso haja outra gestação. A presença da hipertrofia maciça das mamas pode complicar as próximas gestações”, esclarece a médica.
Como tratar?
Para corrigir esse tipo de distúrbio, a cirurgia plástica para redução de mamas é o mais indicado. Isso porque é um procedimento cirúrgico seguro, com resultado eficaz e sem complicações. Além de garantir autoestima, elimina todo o sofrimento causado pelo excesso de mama.
Para a gigantomastia gestacional existem duas indicações cirúrgicas: mastectomia simples e mamoplastia redutora. “A cirurgia de mastectomia simples consiste na remoção de toda a glândula mamária. O cirurgião remove toda a mama, incluindo o mamilo, porém não remove linfonodos axilares e tecido muscular de baixo da mama”, ressalta a médica. Já a mamoplastia redutora tem a finalidade de diminuir as mamas, porém mantendo e até melhorando o aspecto estético das mesmas. É indicada em casos menos graves, para o tratamento profilático prevenção de problemas causados pelas mamas muito volumosas. “Vale lembrar que o tratamento cirúrgico da gigantomastia gestacional não tem o caráter estético puro e a saúde da gestante e do bebê vêm em primeiro lugar”, explica.

Fonte – Cirurgiã Plástica Ana Paula Polato Guiné (CRM-87.718)

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Disfunção cerebral mínima

As crianças com disfunção cerebral mínima têm, em geral, inteligência média ou acima da média; mas, apresentam certos problemas de aprendizagem ou de comportamento associados

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!