Clique e acesse a edição digital

Necessidade do cuidado multidisciplinar para pacientes dentro do espectro autista: equipe e família

Tempo de Leitura: 4 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
menino-de-tiro-medio-jogando-jogo-da-memoria

O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é caracterizado por um conjunto de desordens do neurodesenvolvimento do indivíduo. Esses transtornos afetam principalmente a área social e de desenvolvimento do indivíduo, e provocam comportamentos restritos e repetitivos do mesmo, acometendo aproximadamente 1 a cada 44 crianças e sua prevalência é quatro vezes maior em meninos em comparação com as meninas. Além disso, o TEA é comumente relacionado com outras condições de saúde, como depressão, epilepsia, ansiedade e transtorno do déficit de atenção e hiperatividade.

A manifestação do autismo exige uma quantidade de cuidados, o que pode levar os familiares a enfrentarem desafios emocionais. Na maioria das vezes, a vida da família passa a girar em torno da criança com TEA, exigindo atenção em tempo integral. A carga emocional e financeira, que permeia a vida desses indivíduos, torna-se particularmente marcante, nesse contexto, a culpabilidade muitas vezes experimentada pelos pais encontra suas raízes na sensação de inabilidade em controlar determinados comportamentos dos filhos, precipitando um processo de isolamento. A integração das famílias em papeis ativos de cuidado é uma abordagem de intervenção cada vez mais frequente que apresenta como pontos positivos a proximidade com o ambiente natural da criança, uma melhor   compreensão das habilidades, comportamentos e necessidades especiais dos filhos, interações de maior qualidade entre os integrantes da família e o uso rotineiro/prolongado dos recursos aprendidos.

Assim, a intervenção terapêutica está diretamente associada ao diagnóstico precoce e deve ser estruturada de acordo com as etapas de vida do sujeito. O diagnóstico e avaliação do paciente é realizado por uma equipe multidisciplinar que inclui médico neurologista, psicólogo, fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional, fisioterapeuta, entre outros, para que a criança e sua família possam ter o suporte necessário durante os atendimentos e atividades realizadas. A fonoaudiologia desempenha um papel vital na comunicação e no desenvolvimento de crianças com autismo, atuando principalmente na primeira infância, desenvolvendo e reabilitando aspectos comunicativos e funções como a alimentação, integrando a equipe multi e interprofissional. A colaboração entre profissionais é imprescindível para um bom controle e atendimento eficaz a todas às necessidades dos pacientes com TEA, assim, o envolvimento entre o paciente e a equipe facilita uma melhor intervenção desde o processo diagnóstico. Cada profissional da equipe multidisciplinar desempenha um papel fundamental no diagnóstico e tratamento dessas crianças, por isso trabalhar em conjunto é fundamental para atendê-las.

Já no âmbito escolar, são necessárias intervenções seguras e satisfatórias, em colaboração com os demais profissionais envolvidos, tais como professores, acompanhantes especializados e pedagogos. Estratégias como compartilhamento de experiências, aprimoramento em educação especial e inclusiva, e dedicação à pesquisa de técnicas de manejo do aluno podem ser adotadas pelos profissionais para promover um ambiente educacional mais eficaz. O pedagogo desempenha um papel fundamental ao planejar atividades específicas para o aluno, baseando-se em conhecimentos prévios discutidos com outros profissionais, considerando o perfil, preferências e interesses do aluno para otimizar a assimilação de conhecimentos e conteúdos propostos. A estimulação da criança reflete diretamente no seu desenvolvimento e na evolução da sua aprendizagem. Sendo assim, percebe-se que cada profissional possui um papel específico e, ao mesmo tempo, complementar ao trabalho desenvolvido pela outra área. Dessa forma, é fundamental uma abordagem multidisciplinar para o melhor desenvolvimento das crianças com TEA.

Dra. Laura Faustino Gonçalves
Doutoranda em Ciências da Reabilitação (USP). Fonoaudióloga e Mestre em Fonoaudiologia pela UFSC. Aprimoramento em Andamento em Fonoaudiologia aplicado ao Transtorno do Espectro Autista. Experiência em Motricidade Orofacial, Fala, Dificuldades Alimentares, Comunicação Alternativa e Linguagem. Cursos com ênfase em Transtorno Motor de Fala, Seletividade Alimentar e Comunicação Alternativa.
 
laurafaustinog@outlook.com
@lauragoncalves.fono
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Os tipos de parto

Em primeiro lugar, devemos pensar o seguinte: é possível classificar partos antes deles acontecerem?   Em segundo lugar: mesmo que fosse possível, é coerente achar

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!