Clique e acesse a edição digital

Quais alimentos dar para crianças de até três anos

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Soft photo young mother feeding breast her baby at home in white room

Aparentemente, os seis primeiros meses de vida do bebê é o período mais fácil quando o assunto é alimentação. O leite materno é a única opção. Nos trinta primeiros dias é o recém-nascido que escolhe as horas das mamas, mas depois disso a mãe deve seguir um padrão de amamentar a cada três horas.

Mas é a partir do sétimo mês que começa a preocupação. O que fazer para o meu filho comer? “Essa é uma questão muito importante, porque o alimento está ligado com o desenvolvimento físico e emocional das crianças”, explica André Veinert, nutrólogo da Clínica Healthme Gerenciamento de Perda de Peso.

De sete a onze meses é a fase da comida pastosa. Apesar de a aparência ser diferente das refeições dos adultos, o bebê já pode comer de tudo, desde que sejam alimentos saudáveis. “Pode dar início a comida com carboidratos, como arroz, batata, mandioca e pães”, explica Veinert. Frutas e legumes também estão liberados, assim como carne, frango, peixe, ovos e leguminosas. Porém, nada de açúcar!

Algumas mães voltam a trabalhar antes desse período e não conseguem armazenar o leite materno, então quanto à bebida prefira fórmulas lácteas desenvolvidas para a idade sob a orientação de um pediatra. Assim haverá garantia da ingestão de nutrientes essenciais para o desenvolvimento saudável.

Entre um e três anos a quantidade e variedade de alimentos com carboidratos deve aumentar, assim como a de frutas, porque são eles que estão ligados ao crescimento das crianças. “Podemos falar de cinco porções de carboidratos, três de verduras e legumes e quatro de frutas por dia”, explica o nutrólogo. Vale lembrar que gradualmente as mães devem aumentar a consistência das papinhas e purês, para que cheguem a alimentação regular da família.

Nesse período a criança já deve entender que existe uma rotina alimentar, composta por três refeições e dois ou três lanchinhos no intervalo. “Mantenha um horário fixo. Quando falamos de lanches pode ser fruta, iogurte, um sanduiche pequeno com queijo e cenoura ralada, por exemplo”.

E o bom exemplo também é válido. “Se a criança ver os pais comendo, elas vão entender que aquilo é importante e que todo mundo come e assim fica mais fácil incentivar principalmente a ingestão de verduras”, reforça o nutrólogo.

Procure variar no cardápio, oferecendo um tipo diferente de comida por dia e sempre algo atrativo e colorido. Além de chamar mais a atenção a criança vai receber a quantidade necessária de vitaminas, cálcio e ferro.

Em contrapartida é preciso ficar longe de certos alimentos, que são os industrializados. “Nada de chocolate, balas, achocolatado, café, salgadinhos, bolacha recheada, refrigerante e embutidos”. Devem ser evitados também ovos crus e frutos do mar, assim como cação, eles podem levar a intoxicação alimentar. Também não é recomendado prometer recompensas, como “se você comer tudo vai ganhar isso”. Dessa forma a criança não vai entender a importância da alimentação.

Fonte: André Veinert, nutrólogo da Clínica Healthme Gerenciamento de Perda de Peso.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

A origem do Natal

Entenda a origem e como surgiu a tradição do Natal, o que se comemora nesta data tão especial, seu simbolismo. O Natal é a solenidade

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!