Clique e acesse a edição digital

Vaginismo: A dor silenciosa que precisamos falar

Tempo de Leitura: 4 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
man and woman with a close view on the street

Em um mundo onde a saúde feminina está cada vez mais ganhando a atenção que merece, há ainda territórios pouco explorados e envoltos em mistério e tabu. Um desses é o vaginismo, uma condição que afeta inúmeras mulheres, mas sobre a qual se fala pouco.

Como ginecologista apaixonada por cuidar e entender cada aspecto da saúde de minhas pacientes, quero trazer à luz esse tema, desmistificá-lo e oferecer um caminho de compreensão e cura.

Entendendo o vaginismo

Vaginismo é caracterizado pela contração involuntária dos músculos ao redor da vagina, tornando a penetração sexual dolorosa ou impossível. Essa reação, muitas vezes reflexiva e inconsciente, pode ser desencadeada por uma variedade de fatores, desde traumas e ansiedade até desconhecimento do próprio corpo. O importante a lembrar é que o vaginismo é mais comum do que se imagina e tem tratamento.

Diagnóstico: O primeiro passo para a recuperação

Muitas mulheres sofrem em silêncio, acreditando que a dor durante o sexo é normal ou um mal a ser suportado. Reconhecer que a dor durante o sexo não é normal é o primeiro passo para buscar ajuda. O diagnóstico de vaginismo é essencialmente clínico, baseado na história da paciente e no exame físico e, sendo feito precocemente, não apenas alivia o sofrimento físico, mas também abre caminho para a recuperação emocional e psicológica.

O impacto profundo na vida e nos relacionamentos

O vaginismo pode levar ao evitamento de relações sexuais, ansiedade em torno do sexo e dificuldades nos relacionamentos íntimos, afetando a saúde física, mental, como a autoestima e as relações íntimas. Mulheres que sofrem dessa condição podem se sentir isoladas, envergonhadas e incapazes de discutir seus problemas com parceiros, amigos ou mesmo profissionais de saúde. É um peso silencioso que muitas carregam sozinhas.

Tratamentos existentes: uma luz no fim do túnel

O tratamento do vaginismo é multifacetado, envolvendo abordagens físicas e psicológicas.

A fisioterapia pélvica é uma das principais estratégias, ajudando a relaxar e controlar os músculos do assoalho pélvico. Técnicas como exercícios de Kegel, biofeedback e

massagens são personalizadas para cada paciente, visando reduzir a dor e a ansiedade associadas à penetração.

Tratamentos médicos complementares, incluindo medicamentos como relaxantes musculares (botox) e ansiolíticos, podem ser recomendados. Em alguns casos, a utilização de dilatadores vaginais sob orientação pode ser extremamente benéfica, ajudando a mulher a se habituar gradualmente à penetração.

Caminhando para a Cura

A fisioterapia pélvica, combinada com o suporte psicológico e tratamentos médicos, oferece uma abordagem holística e eficaz para o tratamento do vaginismo. Esta abordagem integrada não apenas alivia os sintomas físicos, mas também aborda as questões emocionais e psicológicas, promovendo uma recuperação completa e sustentável.

Uma Mensagem de Esperança

Se você ou alguém que você ama está enfrentando o vaginismo, quero que saiba que não está sozinha. Como sua ginecologista, estou aqui para guiá-la através deste processo, oferecendo um espaço seguro para cura e descoberta. Juntas, podemos transformar a dor em poder, e o silêncio em uma conversa aberta e curadora. E assim, superando essa condição e restaurando sua qualidade de vida.

Lembre-se, querida leitora, que cada passo em direção ao conhecimento e à ajuda é um passo em direção a uma vida mais plena e feliz. Estou aqui para caminhar ao seu lado, cada passo do caminho.

Dra. Viviane Carolina Vendramini
Com título em Ginecologia e Obstetrícia pela Febrasgo.
Membro da ABGREF.
Especialista em Cirurgia íntima feminina, em Endoscopia Ginecológica e em
Ultrassonografia em Ginecologia e Obstetrícia.
Pós-graduada em Sexualidade Humana pela FMUSP e em Reprodução Humana pelo
Instituto de Pesquisa do Hospital Sírio Libanês.
CRM-SP 134.036
@dravivianevendramini
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Meu filho não come

Como lidar com crianças com dificuldades de alimentação. Chegada a hora do almoço, começa a batalha entre pais e filhos. Depois de broncas, ameaças, choros

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!