Clique e acesse a edição digital

Depressão na gravidez

Tempo de Leitura: 4 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
sad pregnant teenage girl hiding her face in her hands. depressed asian young future mom with baby in belly feeling stressed crying not ready to be parent sitting on couch sofa in living room home.

Tenho acompanhado muitas grávidas que vivem momentos em que deveriam se sentir felizes com a gestação, porém, sem motivos aparentes, experimentam um sentimento constante de tristeza, semelhante a uma nuvenzinha cinza que as acompanha aonde quer que vão. Nesses casos, observo quase sempre a culpa rondar essas mulheres, que se cobram estar bem e viver esses momentos com alegria.

Eis as perguntas que são sempre feitas: Por que estão assim? Há motivos para isso?

A tristeza que persiste por mais de duas semanas e interfere no dia a dia da pessoa, impedindo-a de fazer o que fazia anteriormente, deixa de ser tristeza e muda de nome, passando a ser chamada de DEPRESSÃO.

Viver a depressão, tanto para o paciente como para quem convive com ele, não é simples. Na nossa sociedade, as pessoas entendem a depressão como sinal de fraqueza e ainda há muito preconceito. Até que se confirme o diagnóstico, as pessoas sempre têm explicações sobre o que está acontecendo com quem está deprimido. São comuns comentários de que se trata de algo passageiro ou sem importância, que nos mostra como é difícil lidar.

A tristeza faz parte da vida e precisa ser integrada a ela. Já a depressão é uma doença e, portanto, deve ser tratada, e vale ressaltar que nem toda a depressão possui a tristeza como sintoma.

Sintomas como humor deprimido a maior parte do tempo e ou falta de interesse e prazer nas coisas, além de outros sintomas como falta de energia; dificuldade de concentração; alterações do sono e do apetite (para menos ou para mais); sentimento de culpa; pensamentos de morte (ideias, planejamento ou tentativas de suicídio); negatividade, podem ser alguns dos sintomas que preenchem critérios para o diagnóstico de depressão, segundo DSM-5 (Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais – APA)

Consultar um especialista quando a depressão persistir é importante para a saúde da gestante e também para o bebê que está a caminho. Ele necessitará de uma mãe tranquila, estável e segura para prestar-lhe os devidos cuidados quando nascer. Importante deixar claro que a depressão é uma doença que atinge o indivíduo com um todo, pois há um cérebro e um organismo que adoece e com isso a pessoa pode perder a capacidade de controlar o seu pensamento, seus sentimentos e as suas ações, além de perder muitas oportunidades na vida. Com a depressão, a gestante, pode ter também algumas complicações físicas (no feto também), assim como dificuldades no relacionamento e cuidado com o bebê após seu nascimento, caso não realize o tratamento.

O uso de medicamentos na gravidez muitas vezes se faz necessário, porém devem ser realizados por um médico psiquiatra, que é o profissional mais capacitado para isso. Muitos medicamentos são seguros e podem ser usados com total tranquilidade da gestação, entretanto é fundamental que o diagnóstico seja preciso. A psicoterapia pode ser uma possibilidade de tratamento para a melhora dos sintomas e também uma oportunidade de a gestante entrar em contato com aspectos psicológicos e os gatilhos que talvez estejam contribuindo para o quadro.

Manter rotina com hábitos saudáveis, boa qualidade de sono (ciclo sono- vigília), são fatores que contribuem para a melhora, assim como a ausência deles podem piorar o quadro e funcionar como gatilhos para a síndrome depressiva.

A gravidez, assim como o nascimento de um bebê, deve ser um momento especial para as pessoas. Sentimentos contraditórios surgem com frequência, o mesmo ocorrendo com oscilações de humor. O momento deve ser de alegria, mas se não for, é fundamental saber que há motivos e saída para isso.

Cynthia Boscovich
Psicóloga clínica e perinatal. Psicóloga do sono e especialista em transtornos de humor. Colaboradora do GRUDA (Programa de Transtornos afetivos do IPQ/ HC/ FMUSP).
Email: cyboscovich@gmail.com
Tel. 11 99687-9087

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

OUTUBRO ROSA

É uma campanha de conscientização que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce

Leia Mais »

Os primeiros amiguinhos

Antes dos três anos, o interesse da criança é mais voltado para os brinquedos e objetos do que propriamente outra criança. Pode se aproximar, mexer

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!