Clique e acesse a edição digital

ENTENDA A IMPORTÂNCIA DO EXAME DE HISTEROSCOPIA PARA A SAÚDE DA MULHER

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Além disso, pode ser feito sem a colocação de espéculo, ‘bico de pato’, e isso permite a realização do exame em mulheres virgens. “Com a introdução do histeroscópio, que varia de 1,2 a 4 milímetros de diâmetro, é possível a visualização direta do interior desses órgãos”, acrescenta o especialista. Por isso, o exame é fundamental quando o assunto é infertilidade, sangramento uterino anormal, pólipo endometrial, miomas uterinos e câncer de endométrio, doenças que acometem muitas mulheres.
Outra novidade é que a histeroscopia ambulatorial pode ser uma opção à laqueadura, pois possibilita a esterilização definitiva. Os dispositivos são colocados dentro das tubas uterinas obstruindo-as de forma definitiva. “Como esse procedimento é feito via vaginal, não exige internação, anestesia ou cortes, como ocorre com a laqueadura convencional”, diz o médico.
Como o exame é realizado
Para realizar o procedimento, a paciente deve estar em posição ginecológica e não pode estar menstruada, pois o sangramento atrapalha a visibilidade. Também não pode ser realizado por mulheres grávidas ou com infecções genitais. Segundo Ueno, o exame costuma ser feito em mulheres que já passaram da menopausa, afinal a presença de pólipos é muito comum nessa faixa etária.
O histeroscópio é introduzido pela vagina, que chega por meio do canal do colo uterino até a cavidade endometrial, levando luz ao seu interior e soro fisiológico para distendê-la. “Com uma câmera acoplada, que leva imagens até um monitor de TV, o próprio paciente pode acompanhar o exame em tempo real”, comenta o médico. Ao término do procedimento, a paciente pode retornar às suas atividades cotidianas, desde que siga as orientações médicas.
Vale destacar que a histeroscopia diagnóstica é rápida e pode ser feita sem anestesia. Em casos em que há pequenos pólipos, a retirada da lesão pode ser feita no mesmo ato, sem internação. As pacientes costumam queixar-se apenas de uma ligeira cólica durante o exame, sendo que a intensidade varia de mulher para mulher. E Ueno informa que todos os exames são fotografados ou gravados.
Em que momento deve ser feito
O médico ginecologista deve solicitar este exame quando há suspeita de doenças dentro do útero. A histeroscopia pode ser realizada com dois objetivos: completar a investigação de um problema, como um sangramento anormal; ou para a retirada, por exemplo, de um mioma que está atrapalhando a fertilidade ou provocando hemorragia.
A histeroscopia consegue mostrar pólipos e miomas da camada interna do útero, além de malformações uterinas que podem provocar abortos e até esterilidade. “Em alguns casos, até o câncer de endométrio pode ser diagnosticado por meio deste exame, seguido, por biópsia”, diz o especialista.
O procedimento possibilita ainda a retirada de DIUs (dispositivos intrauterinos) que não conta mais com fio visível e auxilia no diagnóstico e acompanhamento de lesões do colo uterino causadas pelo HPV (Papiloma Vírus Humano). Também é indicado para investigar e tratar casos de infertilidade, abortamentos de repetição e aderências.
Fonte- Ginecologista Joji Ueno (CRM-48.486), doutor em medicina pela Faculdade Medicina da USP e responsável pelo setor de Histeroscopia Ambulatorial do Hospital Sírio Libanês e Diretor na Clínica Gera

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Assine

Para efetivação do processo de assinatura, escolha a opção desejada: RESIDENCIAL: Pessoas físicas e jurídicas para recebimento domiciliar. MÉDICOS: Se você for um profissional da

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!