Clique e acesse a edição digital

Fimose na infância

Tempo de Leitura: 2 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Dra. Angelina M. F. Gonçalves

“Doutora, meu filho tem fimose?”

Esta é uma pergunta frequente em um consultório de pediatria que preocupa muitas mães. Mas afinal de contas, o que é fimose?

Pode ser definida como uma dificuldade de exposição da glande, que é a “cabeça” do pênis, uma vez que o prepúcio ou a pele que o reveste apresenta um anel estreito ou se encontra aderido a ela.  Cerca de 90% dos meninos nascem com fimose.  Aos 6 meses somente 20% conseguem expor a glande  e  aos 3 anos, 90%. Trata-se de um evento congênito ou fisiológico na grande maioria dos casos.

A fimose patológica (cerca de 0,4/1000 meninos/ano), que se caracteriza por prepúcio não retrátil  pode estar associada a processos inflamatórios (postites) que geram cicatrizes e pioram o estreitamento. Microtraumatismos decorrentes do uso frequente e inadequado de “massagens”, na tentativa forçada de descolar a pele, são ainda uma causa importante.

A presença da fimose impede uma boa higiene peniana, fazendo com que a criança tenha maior predisposição a infecções do trato urinário e futuramente maior incidência de doenças sexualmente transmissíveis, câncer de pênis e câncer de colo de útero em suas parceiras.

Com relação à terapêutica, a tendência é evitar qualquer tratamento abaixo de 1 ano de idade. Crianças menores de 5 anos que apresentem fimose patológica, devem ser tratadas clinicamente por meio de  uso de corticóides tópicos na forma de cremes. Cirurgia só é reservada para casos graves ou refratários.

A associação de terapêutica tópica a manobras de estiramento prepucial não traumático durante 4 a 6  semanas mostra uma eficácia de aproximadamente 95%. Se necessário, em casos de recidiva um novo ciclo pode ser realizado. Existem várias apresentações disponíveis no mercado, algumas compostas só por corticóides, outras em que há associação com enzimas. De maneira geral o efeito é similar e decorrente da ação anti-inflamatória. A posologia depende da composição. Não há relatos de efeitos colaterais sistêmicos.

Portanto, se seu filho tem fimose, não se preocupe.  Caso não haja a remissão fisiológica, provavelmente o tratamento tópico será suficiente, caso não terá a necessidade de um procedimento cirúrgico.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Dores de cabeça infantis

Crianças podem sofrer de dores de cabeça devido à ansiedade e apertamentos de dentes. Cada vez mais, a ansiedade é desencadeadora de alguns fatores que

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!