Clique e acesse a edição digital

Miomas – conheça mais deste tumor

Tempo de Leitura: 6 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Miomas são os tumores benignos (não cancerosos) mais comuns do trato genital feminino aparecendo no útero. Eles também são conhecidos como fibromas, fibromiomas ou leiomiomas. Desenvolvem-se na parede muscular do útero.

Embora nem sempre causem sintomas, seu tamanho e localização podem causar problemas em algumas mulheres, como por exemplo, sangramento ginecológico importante e dor em baixo ventre.

As causas exatas do aparecimento dos miomas não são bem estabelecidas, mas os pesquisadores acreditam que haja tanto uma predisposição genética quanto uma maior sensibilidade à estimulação hormonal (principalmente estrogênio) nas mulheres que apresentam miomas.

Algumas mulheres que podem ter esta predisposição desenvolvem fatores que permitem que estes cresçam sob a influência dos hormônios femininos. Isto explicaria porque certos grupos étnicos e familiares são mais propensos a ter miomas.
Os miomas variam muito em tamanho. Em alguns casos eles podem causar um crescimento acentuado do útero, simulando uma gravidez de até 5 ou 6 meses. Na maioria dos casos os miomas são múltiplos.

Os miomas podem se localizar em diversas partes do útero. Existem, basicamente, 4 tipos de mioma:

1- Subserosos: aparecem e se desenvolvem abaixo da camada (serosa) externa do útero e se expandem através desta, dando ao útero uma aparência nodular. Tipicamente não afetam o fluxo menstrual, mas podem causar dores em baixo ventre, na região lombar e sensação de pressão no abdômen. Este mioma pode desenvolver uma haste ou pedículo, tornando-o difícil de distinguir de um tumor ovariano na ultra-sonografia.

2-Intramurais: desenvolvem-se na parede do útero e se expandem para dentro, aumentando o tamanho do útero. É o tipo mais comum de mioma. Podem causar sangramento menstrual intenso e dores no baixo ventre e na região lombar e/ou sensação de pressão generalizada em baixo ventre, de que muitas mulheres se queixam.

3-Submucosos: estão justamente abaixo do revestimento interno do útero (endométrio). É o tipo menos comum de mioma, mas o que pode causar mais problemas. Mesmo um pequeno mioma submucoso pode causar sangramento ginecológico maciço.

4-Pediculados: são os miomas que inicialmente crescem como subserosos e se destacam parcialmente do útero, ficando a ele ligado apenas por uma pequena porção de tecido chamado pedículo. Podem ser confundidos na ultra-sonografia com tumores ovarianos.

Quais são os sintomas mais comuns?

A maioria dos miomas não causam sintomas – apenas 10 a 20% das mulheres que têm miomas necessitarão de tratamento. Dependendo de sua localização, tamanho e quantidade, a mulher pode apresentar os seguintes sintomas:
– Períodos menstruais prolongados e com fluxo aumentado, sangramento fora de época, algumas vezes com coágulos, podendo levar à anemia. Este é o sintoma mais freqüentemente associado aos miomas.

– Aumento de intensidade das cólicas menstruais.

– Dor em baixo ventre, ou mais precisamente, sensação de pressão ou desconforto causado pelo tamanho e peso dos miomas que pressionam as estruturas adjacentes.

– Dor na região lombar, flanco ou pernas (os miomas podem pressionar os nervos que inervam o baixo ventre e as pernas).

– Dor durante o ato sexual.

– Pressão no sistema urinário, o que tipicamente resulta no aumento da freqüência da micção, principalmente à noite.

– Pressão no intestino grosso, levando à prisão de ventre e retenção de gases.

– Aumento do volume abdominal que pode ser mal interpretado como ganho progressivo de peso.

Se você tem algum destes sintomas, procure seu médico.

Sendo benigno, não precisa necessariamente ser retirado.

O mioma não desaparece com medicação. Se houver necessidade de retirá-lo, só uma cirurgia resolverá o caso.

Quando retirar somente o mioma realizará a miomectomia, se for necessário à retirada do útero junto com o mioma daí realizará a histerectomia.

A presença de miomas não significa obrigatoriamente intervenção cirúrgica, que só será indicada quando houver situações que estejam prejudicando o bem estar da paciente e se não houver sucesso com o tratamento medicamentoso (tratamento clínico). Se não existir sintomas e nem estiver atrapalhando uma gravidez desejada, a cirurgia pode ser dispensada.

Quando os miomas devem ser tratados cirurgicamente:

– Quando for muito volumoso e estiver comprimindo outros órgãos como bexiga, intestinos etc.

– Quando estiver provocando dor e cólica

– Quando provocar hemorragias importantes que não foram melhoradas com tratamento medicamentoso e que podem levar a anemia.

Tratamento clínico

Sempre que possível os tratamentos clínicos devem ser indicados, mas para isso, cada caso deve ser analisado criteriosamente. A escolha por um ou outro tratamento deve ser ajustada para cada paciente levando-se em consideração alguns fatores como idade, risco cirúrgico, o desejo de menstruar e de ter filhos.

Neste último caso, não devemos esquecer que uma mulher pode ter filhos até 55 anos através da doação de óvulos. Portanto mesmo para as mulheres com idade próxima a menopausa deve ser levada em consideração esta possibilidade.

Os tratamentos clínicos mais comuns são: pílula, hormônios, antiinflamatórios, remédios contrair o útero e mais modernamente os implantes hormonais que impedem hemorragias.

Tratamento Cirúrgico

Atualmente, o mundo está voltado para que às cirurgias cause o menor dano possível a paciente na cura de uma determinada doença. Hoje não fazem cortes na barriga (laparotomia), a não ser em condições excepcionais.

Tanto para a histerectomia como para miomectomia existem alternativas cirúrgicas bastante confortáveis para a paciente. São elas:

– Laparoscopia: através de um corte de 1,0 cm no umbigo, introduzimos uma câmera de TV e operados através de mais 2 ou 3 cortes de 0,5 cm no abdome, visualizados por um monitor de TV. A paciente fica só um dia internada, perde menos sangue e volta mais rápido à suas atividades normais e com pequenas cicatrizes.

– Histeroscopia: Quando o mioma localiza-se dentro da cavidade uterina, podemos retirá-lo através de um aparelho chamado histeroscópio, que é introduzido dentro do útero pela vagina. A paciente vai para casa no mesmo dia e sem cicatriz.

– Histerectomia vaginal: Podemos, no caso de retirar todo útero, fazê-lo totalmente por via vaginal, sem cortes no abdome. A paciente tem alta do hospital em 24 horas e sem nenhuma cicatriz, com uma recuperação muito rápida às suas atividades cotidianas.

– Embolização de miomas: É uma técnica onde é introduzido um êmbolo (tampão) através de artéria femural e colocado na artéria uterina, vaso que nutre o útero, Com a falta de sangue no órgão os miomas diminuem e podem até ser eliminado pela vagina. É um procedimento muito delicado e indicado para casos muito bem selecionados.

Nos casos de mioma, o médico indicará a técnica cirúrgica mias apropriada para você, visando acima de tudo o seu bem-estar.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Entenda e combata a asma

A principal característica é ser uma doença inflamatória (por isso a denominação popular de bronquite ou bronquite asmática), por um processo de caráter imunológico sistêmico,

Leia Mais »

Ultra-sonografia

O primeiro exame é geralmente realizado entre 6 e 8 semanas e serve para confirmar a gravidez normal, identificando o embrião dentro do útero, com

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!