Clique e acesse a edição digital

Obesidade infantil

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), cerca de 1/3 da população mundial está acima do peso considerado ideal, sendo que, nos últimos 20 anos, o número de crianças obesas triplicou. Essa mudança nos padrões é atribuída à prosperidade socioeconômica da população, o que acarretou em um aumento da ingestão de alimentos mais processados, calóricos, gordurosos e açucarados. Em contra partida, houve redução do consumo de frutas e hortaliças, além do tempo dedicado as refeições e a atividade física.
Segundo a nutricionista Janine Lamas, da Clínica Physio Athletic de Ribeirão Preto, a obesidade é resultado do somatório de fatores ambientais, hereditários e psicológicos. Uma criança apresenta 50% de chance de ser obesa na fase adulta se ela for obesa aos seis anos de idade. Entretanto, essa porcentagem cresce de 70 a 80% se a obesidade estiver presente na adolescência.
Vários fatores de risco podem surgir associados ao ganho exagerado de peso como alterações no colesterol e aumento da resistência à insulina. “Essas alterações podem levar a doenças cardiovasculares e diabetes. O excesso de adiposidade pode estar associado a mudanças da função pulmonar que se revelam por meio de surtos de sono durante o dia e apneia. Presença de problemas dermatológicos como estrias e infecções por fungos, além de acantose nigricans, que é o escurecimento da pele, também podem ocorrer”, explica a nutricionista.
Mudança de hábitos
Para combater a obesidade infantil é necessária uma cartilha de ações que exigem paciência e disposição para reverter o quadro. Explique para a criança, com exemplos atuais, como o excesso de peso pode atrapalhá-la no cotidiano, fale sobre o cansaço e as dificuldades enfrentadas ao brincar, os apelidos maldosos adquiridos na escola, as chances de adoecer, entre outros assuntos. Demonstrar bons costumes também é fundamental, assim como elogiar qualquer progresso que a criança esteja apresentando.
Para intensificar os resultados e garantir mais saúde, uma boa dica é estabelecer bons hábitos, como respeitar os intervalos e os horários para se alimentar e tornar esse momento calmo, agradável, sem estímulos externos como televisão, rádio, discussões ou telefonemas durante as refeições.
O sedentarismo é o grande vilão nesse processo portanto limite o tempo gasto com a tevê, o videogame e o computador e mostre o quanto pode ser divertido andar de bicicleta, brincar de pega-pega e praticar exercícios físicos indicados, isso aumentará o gasto diário de energia, facilitando a mobilização da gordura corporal.
A alimentação pode e deve ser uma grande aliada, por este motivo ofereça produtos lácteos, frutas e cereais, dê preferência aos integrais logo no café da manhã; diversifique diariamente o lanche da escola com frutas, substitua o refrigerante e o suco industrializado por natural. No almoço e no jantar sirva saladas bem coloridas e estimulantes, por exemplo, que contenham: amarelo (milho), verde claro (alface, repolho, acelga), vermelho (tomate), laranja (cenoura) e branco (palmito, cogumelos). Coloque esses alimentos em uma travessa grande e interessante (o mercado oferece uma infinidade de produtos com temas que as crianças gostam e se identificam). Procure elaborar nas receitas “carinhas” e desenhos para a refeição ficar mais divertida. E, para a sobremesa (nos finais de semana) utilize frutas in natura ou em compotas e, de vez em quando, prepare uma gelatina bem colorida com frutas picadas.
Vale lembrar que a geladeira e o armário da cozinha devem estar sempre muito bem abastecidos com frutas, iogurtes, leites, hortaliças, biscoito e pães integrais. Toda a reeducação alimentar, principalmente se utilizada para as crianças, deve ser acompanhada e orientada por um profissional especializado: nutricionista, nutrólogo, pediatra ou um endocrinologista.
Vale a pena tentar e depois comemorar os resultados.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Polivitamínicos

Porém, somente devem ser utilizados com prescrição médica e/ou nutricional, com acompanhamento, pois existem algumas vitaminas, principalmente as lipossolúveis (A, E, D e K), que

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!