Clique e acesse a edição digital

SAIBA AS CAUSAS DO ATRASO NO DESENVOLVIMENTO DA FALA NA CRIANÇA

Tempo de Leitura: 5 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Até o próprio choro já é diferenciado logo no início, têm-se choro de fome, dor, frio, calor, fralda suja e manha; desta forma o lactente mostra a sua intenção comunicativa ao mundo. Com o passar dos meses, as crianças desenvolvem a linguagem expressiva dando significado e nomeando seus sentimentos, vontades e desejos. Até que finalmente, a partir do primeiro ano de vida, os bebês entendem o código do adulto e iniciam o ensaio da fala para se comunicar com os outros.
Segundo a fonoaudióloga Dra. Ana Paula Bautzer, da Clínica de Especialidades Integrada, apesar do processo de desenvolvimento motor e de fala serem particulares para cada criança, é necessário que os pais prestem atenção no tempo hábil de expressão dos baixinhos. “Se o seu filho apresentar dificuldades de expressar seu desejo logo no 1° ano de vida, seja apontando, brincando com o som ou te imitando é preciso buscar auxilio de especialistas. A criança sempre busca uma forma de chamar o outro, de interagir e se divertir. Estranhe se ela preferir ficar só ou não buscar a atenção do outro”
As causas para o retardamento do desenvolvimento da fala podem ser auditivos, neurológicos ou até emocionais. No caso de serem questões neurológicas são investigados problemas psiquiátricos como: o autismo e a esquizofrenia, e em muitos casos os médicos neurologistas pedem até exames de imagens em busca de explicações da dificuldade na criança.
O estimulo emocional associado aos estímulos sensoriais, principalmente os auditivos e visuais, são importantes para o aprendizado da fala e do desenvolvimento infantil. Usar e abusar das cores, sons, afeto e paciência para proporcionar prazer em aprender são metodologias eficientes para incentivar os pequenos a se expressarem.
De acordo com a fonoaudióloga, doenças como: sarampo e meningite também podem prejudicar a saúde dos baixinhos. “No caso de aparecem os sintomas dessas doenças é preciso consultar o pediatra e realizar exames para garantir o bem estar das crianças e descartar a possibilidade de comprometimento da audição, que pode acarretar dificuldade no desenvolvimento da fala e linguagem”, explica a fonoaudióloga.
O processo de vocalização deve ser acompanhado muito de perto pelos familiares, no intuito de diagnosticar e tratar, quanto mais cedo, os problemas ligados ao desenvolvimento infantil.
Para se assegurar da saúde geral, auditiva e visual dos bebês são utilizados métodos preventivos, como o teste do pezinho, da orelhinha e do olhinho que são realizados na maternidade, que pode indicar possíveis alterações metabólicas, auditivas e visuais. Aos pais, também cabe observar o comportamento a criança no meio em que vive para avaliar a capacidade de se comunicar e se relacionar.
O choro é a primeira forma de comunicação dos baixinhos, através dos sons emitidos expressam sono, fome, dores, sujeiras na fralda, frio, calor e até necessidade do colo. Afinal até o momento do parto ele estava quentinho, não precisava acordar para comer, não tinha fraldas sujas e o mais importante se sentia abraçado e seguro a todo momento.
Qualquer brincadeira que puder fazer com o bebê será de grande valia para seu desenvolvimento, cada toque, risada, massagem, carinho que faça ele se sentir bem vai ajudar a ter um bom vínculo e consequentemente um bom desenvolvimento de linguagem e fala.
Existem alguns marcos de desenvolvimento que valhe a pena saber:
* 1 mês repare se a criança olha a pessoa que o observa
* 2 meses a criança sorri e balbucia
* 3 meses A criança sustenta a cabeça
* 4 meses Alcança e pega objetos pequenos
* 5 meses Consegue virar
* 6 meses Mantém-se sentado
* 7 meses Segura objetos e os transfere de uma mão para outra
* 8 meses Faz movimento de “pinça” com os dedos indicador e polegar
* 9 meses Senta-se sozinho
* 10 meses Engatinha
* 11 meses De pé dá alguns passos
* 12 a 14 meses caminha sem ajuda
Lembre-se o desenvolvimento da fala ocorre junto com o desenvolvimento global dela, não evolui a fala se a crianças não brincar, explorar o ambiente e compreender as coisas.
Cronograma da fala e linguagem
Um mês ao terceiro mês
O bebê vai imitar as suas caretas, vai reagir aos sons fortes com susto e fará vocalizações além do choro. Alguns até começam a sorrir em resposta.
Quarto e quinto mês
Sorri espontaneamente e começa a dar gritinhos de alegria. Alguns bebês iniciam as combinações vocálicas como “ah-Gu”
Sexto mês
Inicia brincadeiras com sons molhados em língua e lábios
Oitavo ao décimo primeiro mês
Reclama se tentam tirar objeto dele, entendem o significado do não
O primeiro ano
Bate palminhas, aponta objeto desejado, fala mamã e papá com significado, responde a comando simples, fala duas palavras reconhecíveis, dá tchau e alguns bebês já falam palavras simples.
De 1 ano e meio
Os baixinhos começam a empregar de uma a três palavras corretas, usam jogos simbólicos e palavras e exprime claramente suas vontades. Alguns bebês quando bem estimulados já sabem apontar partes do seu corpo.
Com 2 anos
Usam até seis palavras
Dos 2 anos e maio até os 3 anos
Passam a usar mais de 50 palavras e combinam palavras. Identificam figuras dizendo seu nome, diz o nome de seis partes do corpo, identifica um amigo com nome, emprega preposições e a fala se torna mais inteligível na maior parte do tempo
Nessa fase as crianças repetem tudo o escutam, por isso evite falar besteiras perto do filho, ou poderá passar por constrangimentos.
Você sabia?
A fala está ligada diretamente a audição. Os bebês assimilam as palavras através dos sons. Estimule os pequenos com música e repetições. As crianças sentem as emoções com as palavras usadas pelos pais. Incentive o contato verbal com os baixinhos que, mesmo parecendo não entender nada, conseguem perfeitamente distinguir a hora de dormir, comer e de ser paparicado apenas pelo uso das palavras.

Fonte- Fonoaudióloga Ana Paula D. Bautzer, da Clínica de Especialidades Integrada.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Os riscos da exposição solar

O ser humano dispõe de mecanismos protetores naturais contra as radiações solares. Entretanto, estes são insuficientes e, por isso, torna-se necessário evitar o excesso de

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!