Clique e acesse a edição digital

Campanha da Vacina contra Gripe

Tempo de Leitura: 5 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
close-up-rd

A campanha de vacinação contra a gripe de 2022 do Ministério da Saúde (MS) iniciou em 04 de abril. Esse ano ela foi dividida em duas etapas, se iniciando pelos idosos e trabalhadores da saúde, seguidos de crianças, gestantes, puérperas, professores, povos indígenas, portadores de comorbidades entre outros.

O objetivo principal da vacina da gripe é reduzir as complicações, internações e óbitos decorrentes das infecções pelo vírus influenza na população. É importantíssimo destacar que a vacina é feita de vírus inativado, portanto morto e incapaz de causar qualquer doença pelo ato da vacinação. O Ministério da Saúde promove uma campanha muito grande, com número de doses elevado, mas vivemos em um país de dimensões tropicais e uma grande parcela da população fica sem receber a vacina nas unidades públicas, sendo aconselhável sempre que possível, a aplicação dessa na rede privada.

As campanhas de vacinação de COVID e gripe novamente. Para pessoas maiores de 12 anos, esse ano, elas podem ser dadas no mesmo dia. Para menores de 12 anos devemos respeitar o intervalo de 15 dias entre a vacina de COVID e gripe, sempre priorizando a do COVID. Temos outras campanhas de vacinação acontecendo além do COVID, sendo elas sarampo e poliomielite. Sempre é importante verificar se seu filho ou alguém da família é elegível para vacinar e manter todo o esquema vacinal em dia.

A vacinação contra a gripe sempre foi muito importante para proteção de todos e esse ano é mais importância ainda, já que muitos dos sintomas da gripe são idênticos aos do COVID. Estar imunizado contra o influenza (vírus da gripe) diminui a possibilidade de confusão de diagnósticos, além de reduzir a possibilidade de que o paciente tenha as duas infecções ao mesmo tempo, o que pode agravar muito o estado clínico desse. No final de 2021 e início de 2022 tivemos alta circulação do vírus influenza H3N2, que está presente nessa vacina e portanto, é fundamental a vacinação de todos.

A composição da vacina varia ano a ano, conforme a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), sendo essa orientação feita baseada no que mais circulou no ano anterior no Hemisfério Norte e Sul.

A vacina utilizada na rede pública no Brasil em 2022 será a influenza trivalente, produzida no Instituto Butantã, apresentando três tipos de cepas de vírus em combinação, sendo dois tipos de influenza A (H1N1 e H3N2) e um tipo de influenza B, sendo todos inativados, fragmentados e purificados. A dose varia de 0,25 a 0,5ml dependendo a idade da criança, sendo aplicada em dose única, com exceção com esquema de duas doses nas crianças menores de 9 anos que não tenham sido previamente vacinadas, sendo o intervalo de um mês entre elas.

A vacina utilizada na rede privada é a influenza tetravalente, havendo vários fabricantes, contendo todos quatro tipos de cepas, sendo dois de influenza A e dois de influenza B (composição igual da trivalente, acrescida de uma cepa a mais de influenza B). A dose é a mesma da trivalente com o mesmo esquema de vacinação, havendo em alguns fabricantes a homogeneização da dose de 0,5ml para todas as crianças, independente da idade. Existe ainda a possibilidade de aplicação da vacina trivalente na rede privada também.

Listaremos abaixo os grupos que poderão receber vacina nas unidades públicas.

  • crianças entre 6 meses e 5 anos de idade
  • gestantes e puérperas
  • povos indígenas
  • trabalhadores da saúde
  • idosos com 60 anos ou mais
  • professores de escolas públicas e privadas
  • pessoas com algumas doenças crônicas
  • pessoas com deficiência permanente
  • forças de segurança e salvamento / forças armadas
  • caminhoneiros
  • trabalhadores de transporte coletivo / trabalhadores portuários
  • funcionários do sistema prisional
  • população privada de liberdade, inclusive adolescentes e jovens sob medidas socioeducativas

A maioria dos vírus influenza circulantes está contemplado na vacina trivalente, mas a vacina tetravalente fornece uma proteção a mais, promovendo imunização mais expandida ao influenza. Lembramos que a proteção dada pela vacina da gripe dura apenas alguns meses e dessa forma, todo ano precisamos renovar a vacinação. Quem vacinou no começo do ano, quando tivemos o surto de influenza, também precisa revacinar, pois a vacina usada agora é a atualizada, de 2022, portanto a adequada para esse momento.

Aconselhamos a todos que dentro do possível se vacinem para influenza, exceção feita apenas para quem possua uma contra-indicação formal. Em tempos de pandemia, o investimento em proteção deve ser total. Por isso, se você não está dentro dos grupos prioritários do MS e tiver possibilidade, vacine-se!

Em casos de dúvidas, procure a orientação de um profissional de saúde.

Dra Daniela Vinhas Bertolini, CRM 85228, Pediatra e Infectologista Pediátrica. Doutora em Pediatria pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Infectologista Pediátrica do Programa Estadual e Municipal de DST/Aids de São Paulo. Coordenadora da Equipe da Pediatria do Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids – Programa Estadual São Paulo. Atende no Consultório Cuidar – Pediatria e Cuidado Integral em São Paulo, www.cuidarpediatria.com.br, @cuidarpediatria

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Parto: vaginal ou cesariana

Sabe-se, atualmente, que mediante uma série de sinais complexos, mãe e criança realizam um compromisso que coloca um fim à duração da gravidez. Neste contexto,

Leia Mais »

Varizes na gravidez

Veias dilatadas e tortuosas, as varizes se desenvolvem sob a pele e, dependendo da fase em que se encontram, podem ser de pequeno, médio ou

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!