Clique e acesse a edição digital

FONOAUDIOLOGIA ALIADA À AMAMENTAÇÃO TORNA O BEBÊ MAIS SAUDÁVEL

Tempo de Leitura: 2 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Outro detalhe importante é que, durante a amamentação, a criança aprende a respirar corretamente pelo nariz. Por isso, a escolha do bico da mamadeira interfere muito na amamentação. “O bebê que suga no bico de silicone precisa obter um padrão de sucção mais semelhante ao realizado na mama. A escolha do bico errado pode interferir neste desenvolvimento muscular”, detalha Ana Paula. A especialista enfatiza que o uso da mamadeira deve ser usado e recomendado para aqueles casos em que o recém-nascido não consegue se nutrir e hidratar apenas pelo seio materno, essa recomendação e orientação sempre deve ser feita por equipe multidisciplinar composta pelo pediatra, neonatologista, enfermagem e fonoaudiólogo. Na amamentação natural, o bebê tem mais condições de satisfazer as necessidades sensório-motoras globais e orais e, particularmente, sua necessidade psicológica.
No entanto, independente de a amamentação ocorrer no seio ou na mamadeira, é um acontecimento muito importante e determinante para o futuro relacionamento com o mundo. “Durante a mamada, o bebê deve ser mantido na posição verticalizada, quase sentada ao colo da mãe. Pois, isso evita que o leite escorra para a tuba auditiva levando à otite de repetição”, alerta a fonoaudióloga.
Vale destacar que a chupeta pode complementar a necessidade de sucção, principalmente nos bebês que usam mamadeira, afinal o processo de alimentação acontece de forma muito rápida. Além disso, ela acalma e pode evitar que o hábito da sucção de dedo, que traz danos mais severos ao desenvolvimento buco-facial. “Porém, o uso do acessório deve ser mínimo. Ou seja, apenas em momentos de agitação ou sonolência toda vez que se tentou todas as artimanhas para acalmá-lo. Evite oferecer a chupeta sempre o bebê chorar”, sugere a especialista.
Outra característica que precisa ser levada em consideração. “Se a chupeta permanece interposta entre os lábios pode-se perder a memória muscular de vedação labial, e isso é fundamental para manter a respiração pelo nariz”, completa. Por isso, o acessório que for utilizado por longo período modifica musculatura, dentição e futuras aquisições. Como a aquisição destas funções e modificações de sucção para mastigação ocorre entre 1 e 2 anos, preconiza-se a retirada da chupeta até que a criança complete dois anos de idade.
Fonte- Fonoaudióloga Ana Paula Bautzer, fonoaudióloga da Clínica de Especialidade Integrada

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!