Clique e acesse a edição digital

O umbigo do bebê – via de vida, de mitos, de medos

Tempo de Leitura: 3 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Você recebeu do pediatra todas as instruções necessárias e já ouviu várias vezes que não é difícil, mas uma vez em casa com o seu bebê, ao ter que enfrentar sozinha o problema não consegue deixar de morrer de medo. Afinal, como tratar do umbigo do bebê?

Apesar de saber ser ele apenas um pedacinho que restou do cordão que ligou o organismo do bebê ao seu durante a gravidez e que em breve irá secar e cair, você não pode deixar de vê-lo quase como uma ferida que, ao ser tocada provocará dor.

A questão parece ser esta. O umbigo simboliza a dependência do bebê à sua mãe. Por ele o alimento, o oxigênio e quem sabe o amor e os sentimentos da mamãe são conduzidos. Cortar o cordão, significa delegar e acreditar na autonomia do filhote e poder vê-lo como outro. Um serzinho único e não mais parte da mamãe.

Antes, na época do cordão ligado, as coisas pareciam mais sobre controle. As trocas eram feitas de forma automática garantindo o bem estar do bebê.

Agora já aqui fora, com o cordão cortado, a ferida que restou nos faz lembrar a toda hora que, de nossa habilidade em ser boa mãe, dependerá a vida de alguém tão querido.

A ferida do umbigo é a ferida da separação. Simbolizando a perda do controle. Nunca mais o bebê será só nosso! Agora, ele está partilhado com o mundo…

Por isso parece tão difícil tratar do umbigo. Porque nos lembra que é tratar da vida!

Na verdade os cuidados não passam de higienização perfeita do local, tanto na primeira semana de vida, quando geralmente o coto umbilical seca e cai, como alguns dias mais, depois da queda, até a completa cicatrização da área.

Higienização da região significa mantê-la perfeitamente seca (para promover a cicatrização) e em rigoroso estado de limpeza (para evitar infecções).

A assepsia do local é realmente bastante simples e deve ser feita após o banho e a cada troca de fraldas, para o cordão não ficar molhado de urina. Com uma haste de algodão embebida em álcool, limpe a “raiz” do coto em toda a volta, segurando-o perpendicularmente à barriguinha do bebê. Retire cuidadosamente qualquer serosidade que aí se tenha formado. Ao terminar, observe a coloração da ponta da haste. Se estiver escurecida repita a limpeza com uma nova haste e faça isto quantas vezes forem necessárias até que a ponta de algodão se mostre inteiramente limpa sem quaisquer sinais de secreções.

E é apenas isso. O resto será providenciado pela própria natureza. O coto será ressecado, como que mumificado e se desprenderá sozinho. A cicatriz que fica no local deverá receber os mesmos cuidados até que também ela seque inteiramente dentro de mais uns três a quatro dias. Não use cinteiros ou qualquer outra peça de roupa que impeça o arejamento natural da região.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Depressão na gravidez

Eis as perguntas que são sempre feitas: Por que estão assim? Há motivos para isso? Em alguns casos, há, mas em outros, não. A tristeza

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!