Clique e acesse a edição digital

Psicoterapia durante a gestação de alto risco

Tempo de Leitura: 4 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Man sitting on sofa and holding pregnant womans stomach

Para algumas mulheres, a percepção da gravidez acontece mesmo antes da confirmação de exames e alterações corporais, elas captam as mudanças através de sonhos ou intuições. Existem também as que levam um tempo maior para confirmar a gravidez por questões psíquicas ou biológicas. Logo após a descoberta, vem a comunicação ao parceiro, familiares e amigos, as mudanças no corpo, expectativas em relação à gestação, parto, ao bebê, consequentemente o desenvolvimento do feto e seu acompanhamento.

A partir desta descoberta nasce uma relação entre mãe e bebê, neste momento se instala uma vivência básica do período de gestação até após o nascimento, no qual são vivenciados sentimentos ambivalentes, passando pela construção do amor por esse filho e também pelos medos, inseguranças e mudança de rotina. Quando a gestação transcorre normalmente a psicodinâmica dos pais evidencia maior tranquilidade no processo de cuidar e educar o filho, contudo, sabe-se que parte das gestantes enfrentam doenças no período gestacional que podem acarretar níveis mais altos de ansiedade.

Gestantes de alto risco representam uma parcela da população com maior probabilidade de ser acometida por danos causados por doenças que colocam mãe e bebê, seja na gestação ou após o nascimento, em risco, sendo esta doença já de conhecimento da mãe ou desencadeado durante a própria gestação. A gestação de alto risco, pode ser caracterizada em duas condições, a primeira diz respeito à gestante que lida com algum problema de saúde antes mesmo de engravidar e o enfrenta durante a gravidez. Na segunda condição, o risco à saúde é diagnosticado durante a gestação, o que pode representar uma ameaça a mãe e ao bebê, ambas as situações são geradoras de ansiedade e em muitos casos estresse.

O medo dos pais de que o filho seja afetado pela patologia durante a gravidez é real e permanente, mesmo com o acompanhamento intra útero sobre o desenvolvimento do feto. O receio de que o bebê nasça com alguma má formação traz sentimentos e pensamentos talvez nunca experimentados pelos pais, o que faz deste momento único, uma grande possibilidade de pensar sobre a gravidez, os papeis a serem desenvolvidos, os cuidados durante a gestação e após o nascimento, bem como a apropriação deste misto de sentimentos.

Assim, como as questões do corpo representam desafios e muitas vezes limitações durante a gestação, as questões emocionais demandam devida atenção, podendo significar um desafio adaptativo não somente a gestante, mas também de seus familiares. A gravidez em si desperta uma série de sentimentos novos e preexistentes, o que configura uma grande mudança na vida da mulher, e se somado à uma gestação de alto risco pode trazer à tona questões importantes que carecem cuidado. Neste contexto, a psicoterapia auxilia na compreensão da vivencia materna ao gerar um filho sob a condição do alto risco, levando em consideração que os diferentes estágios da gestação são acompanhados de emoções, pensamentos, sentimentos e descobertas respectivos ao desenvolvimento do bebê concomitante ao adoecimento.

Os conflitos criados entre o desejo de ser mãe e o medo de sofrer as consequências que uma gestação de alto risco oferece é vivenciado pela mãe desde o momento em que recebe a notícia da gravidez ou da doença, porém, o desejo de ser mãe e o cuidado para com o filho pode ser motivação essencial para seguir o tratamento o tempo necessário. O sentimento de ambivalência não é exclusividade de uma gestação de alto risco, mas, predomina em alguns momentos de todas as gestações, mesmo que a nível inconsciente. Por isso, o acompanhamento psicológico se faz importante, uma vez que auxilia na compreensão da real situação da gravidez e da doença, bem como suas limitações, busca estratégias de enfrentamento potencializando os próprios recursos dos pais, além de acolher e trabalhar aspectos ansiosos e de angústia que ocorrem em diversos períodos da gestação com intensidades diferentes.


Letícia Franciele Morais
Psicóloga clínica
Atendimento individual e grupal
Especialista em atendimento clínico
e institucional em Psicoterapia Psicanalítica.
Pós-graduanda em Psicologia Perinatal.
leticiamorais.psico@hotmail.com
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Diarreia aguda em crianças

Porque a suplementação com Lactobacillus reuteri DSM17938 é importante As diarreias são implicadas como a segunda causa de mortalidade em todo o mundo e primeira

Leia Mais »

Diabetes tipo I e gravidez

Os avanços no tratamento do diabetes melito tipo I permitiram que grande parte das diabéticas tenham qualidade de vida muito próxima do normal. Sem tanta

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!