Clique e acesse a edição digital

COLESTEROL NAS CRIANÇAS

Tempo de Leitura: 2 minutos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

De acordo com um levantamento realizado pela Organização Mundial da Saúde, quase 45 milhões de crianças, em todo o mundo, sofrem com o sobrepeso e até a obesidade, o que pode contribuir para a elevação do mau colesterol nos organismo dos baixinhos.
Para a nutrologa Liliane Oppermann, o colesterol é uma substância importante na fabricação de vitamina D, sendo responsável pelo transporte da gordura no corpo e manutenção das células, mas há um limite tênue entre quantidade de colesterol saudável (HDL) para o organismo e quantidade maléfica (LDL) que pode acarretar em doenças cardiovasculares.
“As crianças necessitam de doses de colesterol provenientes de uma alimentação saudável e controladas pela prática de exercícios. Se a ingestão de gorduras for excessiva e a queima ineficaz há possibilidade de entupimento de artérias e conseqüências negativas para a saúde dos pequenos”, explica a nutróloga.
A nutróloga faz um alerta aos pais para que avaliem e monitorem os hábitos nutritivos e o peso das crianças já que o colesterol alto não tem sintomas. “Uma alimentação saudável, provida de fibras, frutas, legumes e verduras é um combatente do mau colesterol. Como a doença não manifesta sintomas em curto e médio prazo o melhor é evitar o excesso de doces e gorduras na alimentação dos baixinhos,” explica a doutora.
Para prevenir a doença nas crianças é importante manter o hábito alimentar saudável na mesa de casa e deixar as delícias em forma de pizza, bolos, refrigerantes e enlatados para os finais de semana, para que sejam consumidos com moderação.
Os níveis do bom colesterol podem ser elevados com o consumo de
nozes, amêndoas, azeitonas, óleos vegetais, azeite de oliva, peixe, elementos ricos em boas gorduras para o organismo.
A prática de exercícios regulares também é a chave para uma vida infantil saudável.
“O colesterol infantil é um inimigo silencioso que deve ser monitorado de muito perto pelos pais para não aumentar o risco de doenças vasculares nas crianças”, finaliza Liliane Oppermann.

Fonte- Nutróloga Liliane Oppermann

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Adoecendo na madrugada

Dia, tarde, noite ou madrugada. Os pequenos não têm hora marcada para ficarem doentes. Uma grande preocupação dos pais é quando seus filhos ficam adoentados

Leia Mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!